Como instalar fluorescentes (ART476)

Neste artigo algo antigo, do tempo em que as lâmpadas eletrônicas e os LEDs ainda não estavam em alta, ensinamos como instalar lâmpadas fluorescentes. Essas lâmpadas ainda são as preferidas em ambientes comerciais e escritórios. É importante saber como trabalhar com elas.

Introdução
As lâmpadas fluorescentes além de produzem luz mais agradável em ambientes que exigem bom nível de iluminação e maior destaque das cores dos objetos como em lojas e vitrines, proporcionam uma economia considerável de energia. Veja neste artigo como instalar lâmpadas fluorescentes.

O rendimento de uma lâmpada fluorescente é muito maior do que uma lâmpada comum incandescente. Isso significa que podemos obter a mesma quantidade de luz uma lâmpada fluorescente gastando até menos da metade do que gastamos se usarmos uma lâmpada comum, conforme mostra a figura 1.

 

Comparando o rendimento de uma fluorescente com uma lâmpada incandescente.
Comparando o rendimento de uma fluorescente com uma lâmpada incandescente.

 

No entanto, antes de optar por uma lâmpada fluorescente num ambiente também precisamos levar em conta o custo da instalação e o tempo em que ela vai ser usada.

O que ocorre é que, gastando menos a lâmpada fluorescente exige uma instalação mais cara (exige reator, e um starter) enquanto que para a lâmpada comum só precisamos de um soquete de baixo custo.

Assim, se vamos iluminar um local em que a lâmpada fica acesa por pouco tempo ou que não se necessita de iluminação de excelente qualidade e em grande intensidade a lâmpada comum incandescente ainda é a melhor. No entanto, se é um lugar que necessita de iluminação intensa, por longos períodos de tempo, compensa o investimento em fluorescente tanto pela economia de energia como pela qualidade da iluminação.

Os principais locais em que recomendamos o uso de lâmpadas fluorescente são:

* Bancadas de trabalho

* Oficinas

* Lojas

* Vitrines

* Cozinhas

* Escritórios

 

Veja que a iluminação mais suave de uma lâmpada incandescente comum ainda a torna melhor para ambientes mais íntimos como dormitórios, salas de estar, varandas, etc.

 

INSTALAÇÃO

Para que uma lâmpada fluorescente acenda é preciso que no momento em que o interruptor geral seja fechado seja aplicada uma tensão bem maior do que a fornecida pela rede de energia.

Isso ocorre porque o gás do interior da lâmpada possui uma elevada tensão de ionização. No entanto, uma vez que esta tensão seja estabelecida e a lâmpada comece a conduzir, para mantê-la em condução, uma tensão menor, como a fornecida pela rede de energia e suficiente.

Assim, o que se faz num circuito de lâmpada fluorescente é agregar um reator e um starter conforme mostra a figura 2.

 

Circuito de uma lâmpada fluorescente comum.
Circuito de uma lâmpada fluorescente comum.

 

Quando o interruptor é fechado, circula uma forte corrente pelo reator e do filamento da lâmpada passando pelo starter que possui um elemento térmico.

Com o aquecimento do elemento térmico o starter abre seus contactos e a corrente é interrompida. O resultado disso é que o campo magnético do reator tem suas linhas de força contraindo em alta velocidade o que gera um pulso de alta tensão entre os terminais da lâmpada.

Este pulso pode ultrapassar os 600 volts, mesmo numa rede de 110 V o que é suficiente para ionizar o gás no interior da lâmpada levando-a à plena condução e ao acendimento, conforme mostra a figura 3.

 

A energia do campo magnético do reator
A energia do campo magnético do reator "descarrega-se" através da lâmpada.

 

Com a entrada da lâmpada em condução a corrente que passa através dela e do reator é suficiente para mantê-la acesa.

Ocorre, entretanto, na maioria das vezes, que a lâmpada não acende no primeiro pulso precisando haver "novas tentativas" de se chegar à plena ionização. Isso é faz com que o starter abra e feche seus contactos algumas vezes gerando pulsos de alta tensão para a lâmpada. A ionização da lâmpada com estes pulsos é que faz com que ela dê algumas piscadas antes de acender.

Se a lâmpada estiver muito fraca ou se existir algum outro problema no circuito, a lâmpada pode permanecer piscando constantemente sem que seja possível obter a plena ionização. Teremos então o efeito desagradável das lâmpadas fluorescentes que piscam, piscam, mas não acendem.

Num caso como este nem sempre precisamos apenas trocar a lâmpada. O starter tem também seus contactos gastos pela alta corrente e tensão com que trabalha, devendo ser trocado juntamente com a lâmpada.

A instalação mais simples de lâmpada fluorescente é a mostrada na figura 4, que é a que tomamos como exemplo e que usa apenas um starter e um reator.

 

Circuito para uma lâmpada fluorescente.
Circuito para uma lâmpada fluorescente.

 

O reator e o starter são adquiridos de acordo com a potência da lâmpada.

Na figura 5 mostramos como é feita a disposição física dos elementos usados nesta instalação.

 

Instalação básica da fluorescente comum.
Instalação básica da fluorescente comum.

 

Observe que o reator fica oculto sob a luminária em que está a lâmpada fluorescente (se usada) e o starter tem seu acesso por meio de pequena abertura. O starter é encaixado num suporte de maneira muito simples: colocamos e damos meia volta de modo que ele se prenda aos terminais.

Na figura 6 temos um exemplo de circuito em que um único reator é usado para duas lâmpadas fluorescentes.

 

Circuito para duas lâmpadas fluorescentes.
Circuito para duas lâmpadas fluorescentes.

 

Um tipo interessante de lâmpada é a de partida rápida que dispensa o uso do starter.

Neste caso o reator é ressonante na frequência da rede de energia de modo a gerar a alta tensão logo nos primeiros ciclos da tensão da rede dispensando assim a abertura e fechamento rápido dos contactos externos.

Na figura 7 temos um circuito desse tipo.

 

Sistema com partida rápida.
Sistema com partida rápida.

 

Para o instalador os principais cuidados que devem ser tomados são:

* Usar reator e starter (se exigido) com dimensionamento de acordo com as lâmpadas que devem ser acesas.

* Isolar bem as ligações do sistema, principalmente os pontos de conexão do reator e dos terminais da lâmpada.

* Prender bem o suporte das lâmpadas ou a luminária para que não haja perigo do conjunto cair.

* Encaixa bem a lâmpada e o starter para que haja contacto perfeito e também não ocorra perigo da lâmpada cair.

* Usar lâmpadas iguais no mesmo sistema para que não ocorre diferença de cor da luz ou ainda problemas de equilíbrio se o reator de acionamento for único.

 

Na época em que este artigo foi escrito ainda não estavam popularizadas as lâmpadas econômicas (eletrônicas)

 

 

Opinião

Mês de Férias (OP117)

Para estudantes e professores este é um mês diferente. As férias escolares levam esses nossos leitores a esquecer um pouco a eletrônica, se bem que para muitos isso seja impossível.

Leia mais...

Buscar Componentes

Informativo Mensal

 Para se manter atualizado com nossas novidades e notícias, Siga-nos pelo:
Twitter
Facebook
Linkedin

ou torne-se membro de nosso grupo:
Google Group 
Yahoo Group

LIVROS TÉCNICOS

              

Trabalho
O trabalho é a melhor e a pior das coisas: a melhor se é livre; a pior se é escravo. (Le travail est La meilleure et la pire dês choses; La meilleur sil est libre; la pire sil est serf.)
Alain (1868 - 1931) - Considerações Sobre a Felicidade

Instituto Newton C Braga - 2014 - Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site
+conexões

Seja mais um amigo facebook
Siga-me twitter
Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)