Corrente, tensão e potência - Entendendo as unidades elétricas (ART598)

Este é um dos artigos mais importantes que escrevemos (publicado originalmente em 2008), pois esclarece uma duvida que muitos leitores, menos os que já possuem uma boa formação, manifestam. Nele explicamos exatamente o que é corrente, tensão e potência elétrica. Trata-se de um artigo que pode perfeitamente ser usado como apostilas para aulas de física, em cursos técnicos e de iniciação tecnologia, pois o tema é abordado de forma simples e objetiva. Recomendamos a leitura deste artigo com muita atenção pela importância dos conhecimentos que transmite.

É um fato inadmissível que muitos profissionais da eletrônica possam confundir grandezas elétricas, como corrente, tensão e potência. Utilizando essas grandezas de forma errada se pode causar problemas sérios de funcionamento de um equipamento ou mesmo comprometer a segurança e o que pode ser muito mais grave: desacredita a competência do profissional ou de qualquer praticante da eletrônica. Neste artigo, indicado aos que ainda fazem confusões, procuramos de uma forma simples eliminar as confusões que ainda possam existir.

É comum vermos profissionais utilizarem de forma completamente errada as grandezas elétricas, confundindo tensão, corrente e potência.

Quem já não ouviu um profissional "competente" dizer que tal aparelho funciona com uma "corrente" de 110 V ou coisa semelhante?

Para um estudante de eletrônica que faça tal afirmação o mínimo que se recomenda é um zero ou um bom castigo!

Mesmo alguns que já não fazem este tipo de citação podem, às vezes, ter dúvidas que demonstram que a confusão relativa à corrente, tensão e também potência persiste em muitos casos.

É o caso de alguns leitores que estranham de que modo uma fonte que fornece uma tensão de 12 V de saída sob corrente de 2 ampères no máximo, tem sua entrada protegida por um fusível de apenas 500 mA, colocado na linha de 110 V.

Tentando tirar definitivamente as dúvidas dos leitores e evitar algumas confusões preparamos este artigo que, certamente não serve para os engenheiros e técnicos de alto nível atualizados, a não ser aqueles que andam um pouco esquecidos ou desejam reciclar conhecimentos (o que sempre é bom)...

 

CORRENTE E TENSÃO

Uma corrente é um fluxo de cargas elétricas.

Elétrons livres que se movem num fio de cobre formam uma corrente elétrica.

A medida dessa corrente é feita em função da quantidade de elétrons ou cargas que passam por um ponto desse fio em cada instante, conforme mostra a figura 1.

 

Medida da corrente elétrica
Medida da corrente elétrica

 

Quanto mais cargas passarem por este ponto, maior é a intensidade da corrente.

Dizemos cargas e não simplesmente elétrons, pois conforme sabemos, a corrente tanto pode ser obtida quando elétrons livres se movimentam num sentido, caso de um metal, como lacunas em sentido oposto, como por exemplo num semicondutor do tipo P.

Para medir esta corrente a unidade usada é o ampère (A).

Um ampère (1 A) corresponde a uma quantidade de cargas equivalente a 1 Coulomb (1 C) passando por um ponto de um condutor em cada segundo.

Levando em conta que cada elétron (ou lacuna) tem uma carga de 1,6 x 10 elevado a -19 Coulombs, podemos ter uma idéia de quantos elétrons estão se movendo num fio e passando por um certo trecho dele quando uma corrente de 1 A está sendo conduzida.

Se os leitores pensam que a velocidade desses elétrons é muito grande, estão enganados.

É neste ponto que entra então o conceito de tensão.

Como um fluxo de água num encanamento, a eletricidade precisa ser "empurrada" por uma força externa.

A ação externa responsável por isso é justamente a tensão.

Assim, temos diversas formas de expressar essa força externa:

Uma delas é tomarmos como referência a diferença de pressão que existe entre as extremidades de um fio, por onde se estabelece a corrente, conforme mostra a figura 2.

 

Diferença de pressão.
Diferença de pressão.

 

É como se tivermos um reservatório de água a 10 metros de altura e estabelecermos um fluxo de água por um cano com a saída em 5 metros de altura.

A diferença entre os níveis ou pressões da água é 5 metros, conforme mostra a figura 3.

 

Diferença entre os níveis de água.
Diferença entre os níveis de água.

 

Para a eletricidade podemos ter a caixa de água num "potencial" de 10 volts e a extremidade do fio num "potencial" de 5 volts de modo que a diferença de potencial ou ddp será de 5 volts.

Em outras palavras, podemos indicar como causa para a circulação de uma corrente a diferença de potencial entre as extremidades de um fio ou circuito.

Outra maneira é sempre expressar a pressão que podemos ter num encanamento de água tomando como referência, por exemplo, o nível do mar, conforme mostra a figura 4.

 

Nível de referência equivalente ao nível do mar.
Nível de referência equivalente ao nível do mar.

 

Fazendo assim, não precisaremos saber qual é o potencial em que se encontra cada extremidade do fio.

Podemos simplesmente dizer que o potencial ou tensão no fio é de tantos volts, referindo à força disponível para empurrar a corrente e levando em conta que a outra extremidade se encontra no nível de referência ou zero, conforme mostra a figura 5.

 

Tensão positiva irá provar uma corrente num sentido e a tensão em sentido contrário.
Tensão positiva irá provar uma corrente num sentido e a tensão em sentido contrário.

 

Veja então que enquanto a tensão é a causa do movimento das cargas a corrente é o efeito, ou seja, o movimento dessas cargas.

Sem tensão não há circulação de corrente, se bem que se possa manifestar uma tensão sem haver corrente.

Entre os pólos de uma pilha, por exemplo, manifesta-se uma diferença de potencial, ou seja, existe a possibilidade da pilha aplicar uma tensão num circuito.

No entanto, só haver corrente no momento em que for ligado aos pólos da pilha um meio ou circuito por onde a corrente possa fluir.

Numa tomada de energia existe uma "tensão" de 110 V, mas corrente só vai existir, no momento em que algum aparelho for ligado a esta tomada.

 

CORRENTE X TENSÃO = POTÊNCIA

Um fato importante que todo o praticante de eletrônica deve ter em mente é que não se pode criar energia a partir do nada.

A energia entregue a um circuito elétrico depende tanto da tensão como da corrente.

É da "força" com que as cargas elétricas são empurradas num fio e da sua quantidade que depende a quantidade de energia que um circuito pode receber em cada instante, ou seja, sua potência elétrica.

Assim, a potência elétrica de um circuito, conforme mostra a figura 6, é dada pelo produto da tensão pela corrente.

 

Potência elétrica de um circuito.
Potência elétrica de um circuito.

 

A potência, que é medida em watts (W), é uma característica própria de um circuito e normalmente não pode ser alterada.

No entanto, o modo como essa potência pode ser fornecida ao circuito pode ser modificado.

Assim, se um circuito precisar de 100 watts para funcionar, podemos projetá-lo de tal forma que ele seja alimentado por 20 volts, caso em que a corrente que vai circular no funcionamento normal (desprezando-se as perdas) será de 5 ampères, como podemos projetá-lo para funcionar com 50 volts, caso em que a corrente será de 2 ampères.

Nos circuitos eletrônicos encontramos tensões de diversos valores, assim como correntes que dependem do que está sendo alimentado.

E, na alimentação externa dos aparelhos temos também diversas possibilidades.

Um exemplo disso está na nossa própria instalação elétrica.

Se tivermos um chuveiro que deva operar com uma potência de 2 200 watts, o que se considera razoável para dar um bom aquecimento a um fluxo normal de água temos duas possibilidades para alimentá-lo:

Se ligarmos esse chuveiro na rede de 110 V, para obter os 2 200 watts, a corrente que vai circular será de 20 ampères.

Se ligarmos esse mesmo chuveiro na rede de 220 V, a corrente será só de 10 ampères.

Veja que não estamos economizando energia no segundo caso!

Pagamos pelos watts multiplicados pelo tempo em que o chuveiro fica ligado, e nos dois casos a potência é de 2 200 watts.

 

Então, qual é a vantagem?

Os fios que transportam energia elétrica possuem certa resistência que depende de sua espessura e de seu comprimento.

Da mesma forma, em função da espessura, os fios apresentam certa limitação à intensidade da corrente que podem conduzir.

Assim, se usarmos a rede de 110 volts para transferir energia para um chuveiro e sua instalação usar fios longos temos dois problemas a considerar.

O primeiro ‚ que a corrente deve ser duas vezes maior do que se usarmos 220 volts, mesmo com a mesma potência, o que significa que precisamos de fio mais grosso (que é mais caro).

O segundo é que, as perdas que ocorrem num fio dependem de sua resistência e também da corrente.

Uma corrente mais intensa significa que, num mesmo percurso temos perdas de energia maiores.

Vamos dar um exemplo numérico:

Vamos supor que para o chuveiro que em 110 volts exige uma corrente de 20 ampères, tenhamos de usar um fio que apresente uma resistência de 1 ohm, conforme mostra a figura 7.

 

Perda de potência na fiação do chuveiro.
Perda de potência na fiação do chuveiro.

 

A queda de tensão ser dada por:

 

V = R x I

 

Onde: V é a queda de tensão no fio, ou seja, a "diminuição" da tensão no circuito em volts.

 

R é a resistência do fio em ?

I é a intensidade da corrente em ampères

 

V = 1 x 20

V = 20 volts

 

Veja então que, no chuveiro teremos apenas 90 volts em lugar dos 110 aplicados, pois 20 volts "se perdem" nos fios.

A potência que esses 20 representam também é preocupante:

 

P = V x I

 

Onde: P é a potência dissipada no fio em watts

V é a queda de tensão no fio em volts

I é a intensidade de corrente em ampères

 

P = 20 x 20

P = 400 watts

 

Ora, esses 400 watts perdidos na instalação vão se transformar em calor, aquecendo os fios o que realmente é preocupante!

Se usarmos 220 V no mesmo chuveiro, mesmo com uma instalação que tenha 1 ohm, as coisas mudam:

Lembramos que neste caso, para obter os 2 200 watts a corrente será de 10 ampères.

 

V = R x I

V = 1 x 10

V = 10 volts

 

A queda de tensão será de 10 volts apenas, o que quer dizer que em lugar de 220V no chuveiro, teremos 210 volts.

A potência perdida no fio e dissipada na forma de calor será :

 

P = V x I

P = 10 x 10

P = 100 watts

 

As perdas são bem menores, neste caso, e conseqüentemente o aquecimento da instalação.

Este é o motivo pelo qual damos preferência às tensões mais elevadas quando devemos alimentar circuitos de altas potências ou transmitir energia elétrica por meio de fios longos.

Outro caso importante que envolve as duas grandezas, tensão e corrente, ocorre num transformador ou numa fonte de alimentação, conforme mostra a figura 8.

 

 

Relação entre entrada e saída num transformador.
Relação entre entrada e saída num transformador.

 

Se a fonte fornece 12 V com corrente máxima de 1 ampère, e na entrada a tensão aplicada é de 120 volts, qual será a corrente que circular pelo circuito de entrada?

Supondo que essa fonte tenha um rendimento próximo de 100% isso significa que a potência do circuito de entrada será a mesma do circuito de saída.

No circuito de saída a potência será:

 

P = V x I

P = 12 x 1

P = 12 watts

(12 volts sob 1 ampère)

 

Na entrada teremos a mesma potência; 12 watts.

 

A corrente será então:

 

I = P/V

I = 12/120

I = 0,1 A

 

Veja então que a corrente será de apenas 0,1 A ou 100 mA.

 

Um fusível de 500 mA pode ser empregado nesta fonte, protegendo o circuito de entrada, mesmo levando-se em conta que sua saída é de 1A.

 

 

 

MÚLTIPLOS E SUBMÚLTIPLOS

Para as unidades de corrente, tensão e potência que vimos é comum usarmos múltiplos e submúltiplos para expressar ou valores muito grandes ou muito pequenos.

 

A seguir damos os múltiplos e submúltiplos mais usados:

 

a) CORRENTE

Unidade: ampère (equivale a passagem de uma carga de 1 Coulomb por segundo por um ponto de um condutor)

 

Abreviação: A

 

Submúltiplos mais usados:

 

1 miliampère (mA) = 0,001 A ou 1 milésimo de ampère

1 microampère (uA) = 0,000 001 A ou 1 milionésimo de

ampère

1 nanoampère (nA) = 0,000 000 001 A ou 1 bilionésimo

de ampère

1 picoampère (pA) = 0,000 000 000 001 A ou 1

trilionésimo de ampère

 

b) TENSÃO

Unidade: volt (equivale à tensão que aplicada a um condutor de 1 ohm de resistência faz fluir uma corrente de 1 ampère)

 

Abreviação: V

 

Múltiplos e submúltiplos:

 

1 microvolt (uV) = 0,000 001 V ou 1 milionésimo de

volt

1 milivolt (mV) = 0,001 V ou 1 milésimo de volt

1 quilovolt (kV) = 1 000 V

1 megavolt (MV) = 1 000 000 V

 

c) POTÊNCIA

Unidade: watt (equivale a produção de 1 joule por segundo)

 

Abreviação: W

 

Múltiplos e submúltiplos:

 

1 picowatt (pW) = 0,000 000 000 001 W ou 1 trilionésimo

de watt

1 nanowatt (nW) = 0,000 000 001 W ou 1 bilionésimo de

watt

1 microwatt (uW) = 0,000 001 W ou 1 milionésimo de watt

1 miliwatt (mW) = 0,001 W ou 1 milésimo de watt

1 quilowatt (kW) = 1 000 W

1 Megawatt (MW) = 1 000 000 W

1 Gigawatt (GW) = 1 000 000 000 W

 

Informativo Mensal

 Para se manter atualizado com nossas novidades e notícias, Siga-nos pelo:
Twitter
Facebook
Linkedin

ou torne-se membro de nosso grupo:
Google Group 
Yahoo Group


Sentidos
Os sentidos não enganam; o que engana é o julgamento. (Die Sinne Trgen nicht, das Urteil trugt.)
Goethe (1749 - 1832) - Natureza e Ciência da Natureza

Instituto Newton C Braga - 2014 - Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site
+conexões

Seja mais um amigo facebook
Siga-me twitter
Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)