Amaciador magnético de água (MA024)

 

Água pode ser amaciada? Se o leitor acha que se trata de algum projeto de "primeiro de abril" ou coisa semelhante, não é nada disso! O termo "água dura" é muito usado tecnicamente para definir a composição da água potável que, em certas regiões apresenta um teor anormalmente alto de calcário (sais de cálcio). Estes sais dificultam a utilização do sabão e a própria água apresenta um sabor não muito agradável que pode até, na opinião de alguns, não servir nem para "matar a sede". Como a eletrônica pode ser usada para amaciar este tipo de água é o que o leitor vai saber neste artigo, com um projeto prático.

 

 

 

De fato, dependendo da região, a água distribuída à população pode ter sua composição variada quanto ao teor de sais minerais. É claro que o tratamento com a adição de substâncias que visam sua purificação não corrige a presença de tais sais, principalmente os de cálcio e isso pode resultar em uma água denominada "dura".

A água dura tem um teor de calcário elevado que não afeta sua potabilidade, mas nem seu sabor são muito agradáveis e nem mesmo sua utilização na lavagem de roupas e louças pode ser considerada eficiente pelas donas de casa. De fato, elas podem "queixar-se" de que o sabão não dissolve ou que os detergentes não fazem sua função, quando utilizados com aquele tipo de água.

Como alterar estas propriedades da água sem a utilização de substâncias químicas, que podem ser perigosas?

Numa revista francesa divulgou-se que campos magnéticos fortes aplicados na água, mesmo quando ela passa pelo encanamento, são suficientes para provocar uma reação entre o carbonato de cálcio (que torna a água "dura") e os outros sais minerais provocando assim a neutralização de seus efeitos.

A vantagem desse sistema é que ele não altera, em princípio a composição da água, apenas modifica-a levemente com uma reação de "amolecimento" que melhora sua potabilidade e a própria característica de trabalhar com detergentes e sabões e o campo magnético não pode ser "ingerido" por ninguém, sendo por isso inofensivo.

Uma maneira divulgada de se aplicar o campo magnético na água de uma canalização consiste em se enrolar uma bobina conforme mostra a figura 1, em torno do encanamento.

 

Evidentemente, o encanamento deve ser de PVC para que o campo possa atuar, e sua intensidade pode variar bastante, dependendo dos efeitos desejados.

A produção do campo, e sua natureza admite diversas possibilidades.

Um campo pulsante, por exemplo, para produzir melhores resultados nos efeitos de "amolecimento", pois algo entre 100 e 2 000 Hz parece estar justamente na faixa de ressonância dos íons responsáveis pelos problemas, forçando-os a uma reação.

O acionamento pode ser feito manualmente, ou para os que desejarem sofisticar o sistema, de modo automático por meio de solenóide quando a água for aberta.

Neste artigo, baseados nas informações que obtivemos sobre intensidade de campo necessárias ao "amolecimento", frequência e intermitência, vamos descrever um aparelho que pode ser experimentado pelos leitores interessados.

Lembramos, entretanto que o autor não teve oportunidade de pessoalmente experimentar o aparelho com uma água que possa ser considerada "dura", mas convida os leitores que fizerem experiências a relatarem as mudanças notadas. O que o autor pode garantir apenas é que se trata de processo que já se usa em outros países, como por exemplo a França, e que pelo que sabe não afeta de modo nenhum a potabilidade da água.

Também é interessante observar que a ozonização, que é recomendada e usada em alguns filtros é um processo completamente diferente, conforme mostra a figura 2.

 

Neste sistema, uma descarga elétrica efetivamente atua sobre o oxigênio dissolvido na água provocando uma reação que produz o ozônio (três moléculas de oxigênio 02 reagem formando duas moléculas de ozônio 03).

O ozônio é bactericida, matando por isso os micro-organismos da água, mas em quantidade elevada também é quimicamente muito ativa podendo causar úlceras. Nos Estados Unidos, onde existe um controle rígido sobre tais aparelhos, a dosagem de ozônio é mantida dentro de rígidos controles de modo a não ser prejudicial à saúde. No entanto, o próprio autor ao adquirir um filtro para sua residência, teve a oferta de um vendedor de um com ozonizador, com mil-e-uma qualidades apregoadas.

Consultado sobre o controle da quantidade de ozônio produzida pelo filtro, ou sua quantidade, não só o vendedor não soube dizer nada, como em todos os folhetos de propaganda disponíveis não havia a indicação.

Alertamos tanto as autoridades como as pessoas interessadas na compra de um aparelho deste tipo sem indicação dos níveis de ozonização e se existe um controle disso, que tenham cuidado!

 

 

COMO FUNCIONA

Mas, o que importa é o nosso "amaciador magnético". Vamos analisar o seu princípio de funcionamento.

Para gerar um campo magnético intermitente de frequência entre 100 e 2 000 Hz utilizamos dois osciladores elaborados em torno de duas portas NAND do circuito integrado 4093B.

A frequência do primeiro oscilador é determinada por R2 e C2 e é da ordem de 1 ou 2Hz, fixando assim a intermitência do aparelho. Estes componentes podem ser alterados numa ampla faixa de valores, sendo a única restrição a do valor do resistor que não pode ser inferior a 5 k ohms.

A frequência do segundo oscilador é determinada por R3 e C3 ficando na faixa de 100 e 2 000 Hz. Ela pode ser alterada tanto pela troca do resistor como do capacitor, dentro da mesma restrição do primeiro oscilador.

Os sinais dos dois osciladores são combinados na terceira e quarta portas do circuito integrado, obtendo-se assim um trem de pulsos com a forma indicada na figura 3.

 

Estes pulsos são fracos demais para produzir um bom campo magnético, se aplicados numa bobina.

Para a amplificação desses pulsos é feita por um transistor de potência. O transistor indicado tem um ganho bastante elevado, pois é um Darlington, o que possibilita a excitação de uma bobina de forma a se conseguir um forte campo magnético.

A bobina é ligada diretamente ao coletor do transistor, recebendo, portanto uma corrente com a forma de onda gerada.

A fonte de alimentação para o circuito não precisa ser estabilizada consistindo, portanto num transformador que abaixa a tensão da rede de energia, dois diodos retificadores e um capacitor de filtro.

Esta fonte deve fornecer pelo menos 2 ampères, que é a ordem de corrente que a bobina pode solicitar quando em funcionamento normal.

Na versão mais sofisticada, damos um circuito temporizador que permite o acionamento da bobina por certo tempo ao simples premer de um botão. Este circuito prevê também o acionamento de um solenóide que abre a água.

Desta forma, a água pode ser aberta automaticamente e ao mesmo tempo o circuito ativado por um determinado intervalo de tempo.

O temporizador neste circuito pode ser projetado para operar em intervalos de tempo entre 5 e 20 segundos aproximadamente, dependendo dos valores dos componentes utilizados.

 

 

MONTAGEM

Começamos por mostrar ao leitor o diagrama do circuito básico do amaciador com a sua fonte de alimentação na figura 4.

 

A disposição dos componentes para esta montagem é mostrada na figura 5.

 

O transformador de alimentação fica fora da placa de circuito impresso e deve ser fixado na caixa que aloja o aparelho, empregando-se parafusos com porcas para esta finalidade.

Na figura 6 mostramos como o transformador e a placa de circuito impresso podem ser fixados na caixa, assim como as entradas e saídas dos principais fios.

 

O circuito integrado deve ser instalado em soquete DIL de 14 pinos para maior segurança e o circuito integrado necessita de um radiador de calor. Este radiador é feito com uma chapa de metal dobrada em "U" e parafusada no orifício existente no componente para esta finalidade. Radiadores prontos podem ser adquiridos nas casas especializadas ou mesmo aproveitados de aparelhos fora de uso.

Na montagem observe a polaridade dos diodos e dos capacitores eletrolíticos. Para C1 é importante observar que a tensão mínima de trabalho é de 16V. Os demais capacitores podem ser de poliéster ou cerâmicos.

O LED indicador de funcionamento deve ser posicionado no painel do aparelho.

Para a bobina damos os pormenores de sua montagem na figura 7.

 

Essa bobina deve ser enrolada diretamente no cano de PVC por onde passa a água e consiste entre 200 e 500 espiras de fio esmaltado de 22 a 28 (encapado ou AWG).

Uma idéia de instalação é mostrada na figura 8 em que preparamos a bobina externamente e depois, interrompendo a canalização, a inserimos no percurso da água. A vedação feita com luvas apropriadas e cola de PVC deve ser perfeita para que não ocorram vazamentos.

Para os que desejarem uma versão temporizada, damos o seu circuito na figura 8.

 

A placa de circuito impresso correspondente é mostrada na figura 9.

 

O transistor BC517 pode ser substituído por dois BC548 na ligação Darlington equivalente mostrada na figura 10.

 

Se o leitor tiver dificuldades em obter o BC517 deve já prever a utilização dos BC548 fazendo as devidas alterações no desenho da placa de circuito impresso.

O relé G1RC2 pode controlar correntes de até 10 ampères, o que significa que, além do solenóide que abre a água outros dispositivos podem ser acionados, como por exemplo uma bomba, caso a água seja obtida de poço ou mina.

A temporização depende de C4 e R5. Uma idéia para se regular a temporização numa ampla faixa de valores consiste em se trocar R5 por um trimpot ou potenciômetro de 2,2 M ohms a 4,7 M ohms e ajustar nele o tempo de acionamento do circuito.

Veja que a fonte deste circuito é a mesma do amaciador, que então terá apenas de ser modificado para operar com o temporizador.

As alterações podem ser feitas de modo a termos uma única placa de circuito impresso ou então conforme indicamos, com duas placas.

Uma característica importante deste circuito é o auto-travamento. Quando pressionamos S1 ele liga e assim se mantém até o final da temporização. No final, o relé desliga tanto o solenóide como o próprio circuito de temporização que, desta forma, não consome energia.

Os capacitores eletrolíticos devem ter tensões de trabalho de pelo menos 16 V neste circuito e os diodos admitem equivalentes.

A instalação do sistema temporizado é mostrada na figura 11.

 

 

PROVA E USO

A prova de funcionamento é simples. Basta acionar S1 com a bobina fora da instalação de água. Inserindo uma chave de fenda na bobina o montador deve sentir a vibração produzida pelo campo magnético.

Com esta comprovação de funcionamento, basta instalar o aparelho e usá-lo.

Para a utilização, todas as vezes que a torneira for aberta ou que a água for utilizada, ligue o aparelho de modo a fazer com que o campo magnético entre em ação.

Se notar que, utilizando o aparelho por longos períodos, a bobina tende a se aquecer em demasia, ligue em série com a mesma um resistor de 4,7 ohms x 5W para servir de limitador de corrente.

O aquecimento do transistor a uma temperatura suportável (pode-se segurar o componente) é normal.

Existem diversos aperfeiçoamentos possíveis para o sistema:

Um deles é o esquematizado na figura 12 em blocos, e que consiste numa abertura automática da água pela ação de foto-sensor.

 

A simples colocação de um copo ou da mão diante da torneira com solenóide, provoca a abertura da água e ao mesmo tempo a ligação do amaciador.

 


LISTA DE MATERIAL

a) Amaciador

Semicondutores:

CI-1 - 4093B - circuito integrado CMOS

Q1 - TIP120 ou equivalente - transistor NPN Darlington de potência

D1, D2 - 1N4002 ou equivalentes - diodos de silício

LED - LED vermelho comum

 

Resistores: (1/8W, 5%)

R1 - 1 k ohms

R2 - 1 M ohms

R3 - 47 k ohms

R4 - 10 k ohms

 

Capacitores:

C1 - 22000 uF/16V - eletrolítico

C2 - 220 nF - poliéster ou cerâmico

C3 - 22 nF - poliéster ou cerâmico

 

Diversos:

T1 - Transformador com primário de acordo com a rede local e secundário de 9+9V x 2A

S1 - Interruptor simples

F1 - Fusível de 1A

X1 - Bobina amaciadora - ver texto

Placa de circuito impresso, caixa para montagem, fios, cabo de alimentação, soquete para o circuito integrado, suporte para o fusível, radiador de calor para o transistor, fios esmaltados, solda, etc.

 

b) Temporizador

Semicondutores:

Q2 - BC517 - transistor Darlington - ver texto

D3 - 1N4002 ou 1N4148 - diodo de silício

 

Resistores:

R5 - 100 k ohms a 1 M ohms x 1/8W - ver texto

R6 - 100 k ohms

 

Capacitores:

C4 - 1 000 uF/16V - eletrolítico

 

Diversos:

K1 - G1RC2 - Relé de 12V/10A

S2 - Interruptor de pressão NA

Placa de circuito impresso, fios, solda, etc.

 

 

Opinião

Voltando no Tempo mas Mantendo a Atualidade (OP120)

Existem projetos que ao longo dos anos se mantém atual, da mesma forma que existem outros que se tornam obsoletos e até substituídos por versões modernas com tecnologia avançada. Uma série de livros que publicamos, entretanto, até hoje se mantém atual, servindo principalmente para os iniciantes e seu valor histórico é muito grande.

Leia mais...

Buscar Componentes

Informativo Mensal

 Para se manter atualizado com nossas novidades e notícias, Siga-nos pelo:
Twitter
Facebook
Linkedin

ou torne-se membro de nosso grupo:
Google Group 
Yahoo Group


Notícia e Boato
Entre a notícia e o boato a diferença é que a notícia pode ser forjada.
Eno Teodoro Wanke (A Morte do Neves);

Instituto Newton C Braga - 2014 - Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site
+conexões

Seja mais um amigo facebook
Siga-me twitter
Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)