Interfaces Universais de Movimento (NI) (MEC096a)

Escrito por Newton C Braga

Baseado em documentação da National Instruments, este artigo descreve o funcionamento das interfaces UMI daquela empresa. Sugerimos uma visita ao site da National para mais informações sobre o assunto.

Um problema que muitos equipamentos apresentam é o da compatibilidade quando se conectando a equipamentos terceirizados. Ocorrem então problemas de conectividade que a National Instruments pode solucionar, no caso de controles universais de movimento. Neste artigo damos uma breve visão da solução sugerida pela National.

As interfaces UMI da National Instruments (www.ni.com) fornecem um esquema de conexão compreensível e pontos de conexão para controle de movimento e sinais de feedbak. Um único cabo do controlador de movimento a UMI leva sinais de entrada e saída para todos os eixos. Dividindo estes sinais em conexões per-axis e de função específica, a interface UMI simplifica a integração de drivers terceirizados, encoders, chaves de limite, I/O com controladores da NI. Cada UMI trabalha com até taxas de quadratura de encoders de 20 MHz. Na figura 1 temos um sistema típico de Movimento.

 

Sistema típico de controle de movimento.
Sistema típico de controle de movimento.

 

Cada UMI incorpora um monitor PC de energia que inibe o driver de movimento perde a alimentação. O UMI controla os +5 VDC do PC e ativa os sinais de inibição se a tensão sair fora da faixa de tolerância.

Os recursos específicos para controle de movimento melhorados colocam a UMI longe de um simples parafuso de conector. A compatibilidade tanto com TTL como funcionalidade de inibição onboard, além de tamanho compacto tornam a solução UMI ideal para controle de movimento. O resultado é um cabeamento simplificado com componentes amplificadores/driver e de motor terceirizados. Para soluções de amplificadores integrados, alimentação e conectividade visite www.ni.com/motion.

Alguns sinais têm a compatibilidade definida como um sinal que passa-através, o que significa que a UMI deve ter filtragem passiva para estes sinais, para não afetar a faixa de tensão dos sinais de tensão ou corrente. Consulte as especificações de seu controlador de movimento para determinar a faixa permitida de tensões e a compatibilidade dos níveis lógicos dos sinais.

 

Conectando a Drives de Motores

Quando interfaceando um drive terceirizado e motor, é importante considerar a intensidade da corrente para o motor e a conectividade ao drive de motor. A National Instruments fornece uma grana gama de opções para interfaceamento. Pode-se interfacear motores de passo de 2 fases com 4 A de pico usando os drives de potência da NI, além disso podem ser interfaceados motores de passo de 5 fases ou outros tipos fora da faixa da série NI MID usando as interfaces UMI. Para motores servo de escovas até 10 A de corrente de pico podem ser usados os drives de potência da National Instruments e controladores. Para motores DC sem escovas e AC e outros tipos de servos motores fora da faixa da série NI MID, uma interface NI UMI simplifica as conexões do motor e do controlador.