Ionizador ambiente (MA044)

Escrito por Newton C Braga

Bem estar ou alívio para as pessoas que possuem problemas alérgicos, de enxaquecas ou ainda dores por queimaduras e ferimentos podem ser aliviadas pela ionização negativa da atmosfera do local em que elas se encontram. Este fato, relatado em diversos documentos médicos e mesmo aproveitado em hospitais, está relacionado com o comportamento de nosso sistema nervoso. Veja como isso ocorre e de que modo você pode montar um ionizador negativo para uso doméstico.

Nosso sistema nervoso funciona à base de impulsos elétricos. Estes impulsos passam de célula nervosa para célula nervosa através de junções denominadas "sinapses" onde existe uma substância denominada "serotonina" que libera íons carregados positivamente e negativamente, conforme mostra a figura 1.

 

A transferência dos impulsos nervosos é feita pelas sinapses.
A transferência dos impulsos nervosos é feita pelas sinapses.

 

É a mobilidade destes íons que possibilita a transferência dos impulsos elétricos de célula para célula e assim o nosso "comportamento nervoso".

O que os pesquisadores descobriram é que a presença de cargas elétricas no meio ambiente e que possam se acumular no corpo das pessoas têm uma certa influência sobre o equilíbrio destas cargas nas junções das células nervosas.

Diversos são os efeitos que as cargas ambientes podem ter sobre o comportamento das pessoas, e elas variam de indivíduo para individuo.

O que se descobriu de mais importante é que uma atmosfera com cargas positivas em excesso ou ainda o corpo carregado positivamente tende a causar problemas em pessoas sensíveis.

Assim, as pessoas que têm alergias ou enxaquecas podem ter crises alérgicas ou fortes dores de cabeça simplesmente por estarem num ambiente carregado de eletricidade positiva. As pessoas que tenham ferimentos profundos como ossos quebrados, ferimentos por objetos contundentes ou ainda queimaduras podem "sentir dores" quando nestes locais.

Existem pessoas que sentem mal-estares, dores de cabeça ou dores no corpo pela simples aproximação de uma tempestade. A forte carga positiva no ar causada pela aproximação de nuvens carregadas pode ter este efeito.

 

O ar pode ficar
O ar pode ficar "carregado" com a aproximação de uma tempestade.

 

Já, as cargas negativas têm um efeito diferente. Trazem alívios para crises alérgicas, ou dores de cabeça e até fazem a pessoa relaxar se estiver tensa.

Aparelhos de ionização negativa têm sido recomendado por médicos especialistas para casos de alergias e enxaquecas constantes e um hospital canadense chegou ao requinte de instalar um grande ionizador que colocar no ar cargas negativas em todo o prédio. Verificou-se com sua instalação um grande alívio para os internados principalmente com problemas de queimaduras!

No dia a dia, o nosso ambiente pode estar impregnado de cargas tanto positivas como negativas. Muitas pessoas, conforme se constatou, não têm sensibilidade muito grande para estas cargas, mas se você é alérgico ou ainda tem problemas de enxaquecas, talvez não perceba que a solução para seu problema pode estar numa simples inversão de cargas de seu local de trabalho ou de seu quarto de dormir.

O que propomos neste artigo é a montagem de um pequeno ionizador que "jogará" no ar ambiente cargas negativas, neutralizando as positivas que possam existir e assim trazendo um alívio para os problemas causados pela ionização.

O circuito funciona ligado à rede de energia e seu consumo muito baixo permite que ele fique ligado permanentemente, sem aumento sensível em sua conta de energia. De fato, o aparelho gasta menos de 5 W o que é pelo menos 12 vezes menos que uma simples lâmpada comum de 60 W.

 

COMO FUNCIONA

Para ionizar o ambiente partimos de um efeito muito conhecido em física que é o efeito das pontas.

Um corpo carregado de eletricidade tende a perder cargas pelas suas partes de menor curvatura, ou seja, pelas pontas, conforme mostra a figura 3.

 

O
O "efeito das pontas".

 

Esta perda depende tanto da curvatura ou da ponta como da tensão em que está o corpo.

O que fazemos então é gerar uma alta tensão negativa e aplicá-la a uma agulha. As cargas negativas "escaparão" pela ponta da agulha e se espalharão pelo ar ambiente.

Nosso circuito tem então um transformador que aumenta a tensão da rede para 220 V se ela for de 110 V e que não é necessário se a rede for de 220 V e, além disso, um multiplicador de tensão formado por diodos e capacitores.

Cada par de diodos dobra a tensão da rede de energia de modo que teremos no final da cadeia uma tensão da ordem de 1 000 a 2 000 volts que é aplicada à ponta do alfinete usado como eletrodo.

Esta tensão é suficiente para "expelir" íons que se espalham pelo ar ambiente.

 

MONTAGEM

Na figura 4 temos o diagrama completo do ionizador que utiliza poucos componentes e todos comuns.

 

Diagrama completo do ionizador.
Diagrama completo do ionizador.

 

A disposição dos componentes usados numa placa de circuito impresso é mostrada na figura 5.

 

Sugestão de placa do ionizador.
Sugestão de placa do ionizador.

 

Os diodos são do tipo 1N4007 ou equivalentes. Os capacitores devem ser cerâmicos ou de poliéster com uma tensão de trabalho de pelo menos 400 volts.

O transformador tem enrolamento primário duplo: 110 V e 220 V e é usado como um auto-transformador se a rede de energia for de 110 V. Para a rede de 220 V este componente não é necessário.

O eletrodo de ionização é simplesmente um alfinete que deve ficar com sua ponta para fora do caixa do aparelho de modo a lançar os íons no ar ambiente.

Todo o conjunto cabe facilmente numa caixa plástica, conforme mostra a figura 6.

 

Sugestão de montagem em caixa.
Sugestão de montagem em caixa.

 

Não use caixa metálica e tenha o máximo de cuidado com toda a fiação já que o aparelho é ligado na rede de energia e existe sempre o perigo de choques e curtos perigosos se algum problema de isolamento ocorrer.

 

PROVA E USO

Para provar o aparelho basta ligá-lo à rede de energia. No escuro deve ser observado um pequeno brilho na ponta do alfinete já que a expulsão das cargas é acompanhada de uma forte ionização que "acende" o ar. É o chamado "efeito corona". Um leve chiado, indicando a produção das cargas deve ser ouvido.

Colocando-se uma lâmpada neon nas proximidades da ponta do alfinete ela deve acender dada a presença de alta tensão.

Uma vez comprovado o funcionamento é só deixar o aparelho ligado no local em que se deseja ter a ionização. Cuidado para não deixar o alfinete em local que possa ser tocado acidentalmente, pois o choque pode ser perigoso.

 

 

Semicondutores:

D1 a D9 - 1N4007 ou equivalente - diodos de silício

Resistores: (1/8 W, 5%)

R1 a R3 - 100 k ?

Capacitores: C1 a C9 - 100 nF/400 V - cerâmicos ou poliéster

Diversos:

T1 - Transformador com primário de 110/220 V e qualquer secundário entre 5 e 12 V com corrente de 200 a 500 mA (enrolamento não usado - ver texto)

X1 - Eletrodo - ver texto

Placa de circuito impresso, caixa para montagem, cabo de força, fios, solda, etc.