O Site do Hardware Livre - OSHW

Fonte Transistorizada de 2 a 20 V x 3 A com Proteção (ART1849)

Esta excelente fonte de alimentação para a bancada utiliza apenas transistores como elementos ativos e um SCR na proteção contra curto-circuitos, pode fornecer até 3 A de corrente. Se o leitor está procurando uma fonte boa para sua bancada, eis aqui uma excelente sugestão de projeto.

Descrevemos a montagem de uma excelente fonte de alimentação para a bancada, que se caracteriza por utilizar somente transistores e um SCR e que possuí ainda proteção contra curto-circuitos.

Em caso de curto-circuito na saída, o SCR dispara, acende uma lâmpada no painel e imediatamente, de modo automático, é cortada a alimentação da carga.

Trata-se pois de fonte ideal para o experimentador, para o reparador que pode desejar alimentar aparelhos "suspeitos", ou para a escola que necessita de uma boa proteção contra os erros involuntários dos alunos.

A fonte tem ajuste através de um potenciômetro e o transistor Darlington de alta potência garante um excelente desempenho para o circuito.

 

Características

Tensão de entrada: 110/220 Vc.a.

Faixa de tensões de saída: 2 V a 20 V

Corrente máxima: 3 A

Tipo de proteção: “Crow-bar” corn SCR

 

Após a retificação pelos diodos e filtragem pelo eletrolítico de alto valor, a tensão contínua é entregue ao coletor de um transistor Darlington de potência, , que tanto pode ser o TIP140, TIP141 ou TIP142 (A diferença está na tensão máxima suportada por cada um).

A referência de tensão que determina quanto vai ser aplicado a carga, depende da condução de Q2 que é um transistor NPN de uso geral de baixa potência.

Em suma, este transistor controla a tensão de saída em função de sua condução.

Essa condução é determinada tanto pelo ajuste de P1, como pelo sensoriamento da tensão de saída feito pela rede em que está este componente.

Se a tensão de saída cair, a rede age no sentido de fazer o transistor BC547 conduzir menos e assim termos maior corrente de base no Darlington, isto leva a uma maior corrente neste componente, alimentando assim a carga com tensão maior.

O sistema de proteção se baseia na tensão de disparo de um SCR do tipo TIC106.

Um resistor, entre a comporta e o catodo do SCR, é percorrido pela corrente principal da fonte.

Assim, a queda de tensão neste resistor depende da corrente consumida pela carga.

Se a corrente subir, também sobe a tensão no resistor, até que chegamos ao ponto do disparo deste componente.

Observe que o disparo do SCR é unilateral, bastando uma pequena elevação da corrente, por uma fração de segundo para que o SCR dispare e assim permaneça.

Para desligá-lo, não havendo sinal de comporta, curto-circuitamos por um momento o anodo com o catodo, através de S2.

Com o disparo do SCR, caso a corrente suba para além do valor estabelecido segundo a tensão de disparo do SCR e a corrente da fonte, a lâmpada X1 acende, e, ao mesmo tempo, a base do transistor de potência (Darlington) é levada à terra via diodo D3 (1N4002),

Nestas condições, o transistor de potência é imediatamente cortado, com a tensão de saída caindo praticamente à zero.

O acendimento da lâmpada é um aviso de curto-circuito. Uma vez que o curto tenha sido removido, bastará apertar por um instante S2, que o SCR desliga e a fonte pode ser controlada novamente por P2.

O valor de Rx pode ser programado para correntes diferentes de 3 A.

Na saída, tanto podemos usar um multímetro comum para ajustar a tensão, como também podemos ligar um microamperímetro de 0-200 uA em série com um resistor de 10 k ohms e um trimpot de 470 k ohms de modo a termos um voltímetro.

O diagrama completo da fonte de alimentação é mostrada na figura 1.

 

   Figura 1 – Diagrama completo da fonte
Figura 1 – Diagrama completo da fonte

 

A disposição dos elementos principais numa placa de circuito impresso é mostrada na figura 2.

 

 Figura 2 – Placa de circuito impresso para a montagem
Figura 2 – Placa de circuito impresso para a montagem

 

Para o transistor de potência é preciso usar um bom radiador de calor.

Os resistores são de 1/2 W com 5% ou mais de tolerância, e o eletrolítico de filtragem, de 4 '700 uF, deve ter uma tensão de trabalho de 40 V ou mais.

O SCR não precisa ser dotado de radiador de calor, já que a corrente conduzida por este componente será praticamente a corrente de acionamento da lâmpada.

Se for usada uma lâmpada diferente, o resistor em série deve ser alterado.

Os diodos admitem equivalentes e o potenciômetro é linear.

O resistor Rx é calculado em função da corrente de disparo e da tensão de disparo do SCR.

Como a tensão pode variar entre 0,4 V e 1,0 V sendo o valor típico de 0,6 V, pode ser necessário alterar o valor deste componente na prática.

Este resistor deve ser de fio, e o valor indicado para a tensão típica de disparo (0,6 V) é de 0,2 ohms.

Este valor pode ser conseguido com a ligação de 5 resistores de 1 ohm x 1 W em paralelo, já que valores inferiores a 1 ohms são difíceis de obter.

A fonte caberá facilmente numa caixa de plástico, cujas dimensões devem prever a colocação do transformador.

Inicialmente ligue na saída da fonte um multímetro na escala de tensões apropriada, e ajuste P1 para verificar a varredura de tensões.

Depois, ajuste a saída da fonte para 15 V, e ligue na saída por um instante um resistor de 4,7 ohms x 5 W.

Deve ocorrer o disparo do SCR com o acendimento da lâmpada.

Se isso não ocorrer, tente um resistor um pouco menor. Se o disparo ocorrer com valores menores, aumente Rx.

Se ocorrer também com valores maiores que 4,7 ohms, o que indica correntes inferiores a 3 A, então Rx precisará ser diminuído.

Uma vez comprovado o funcionamento, usar normalmente a fonte e quando houver curto, o que será indicado pelo acendimento da lâmpada, somente rearme a fonte depois de remover a causa do curto, apertando por um instante S2.

 

Semicondutores

Q1 - TIP140, TIP141 ou TlP142 - Transistor Darlington de potência

Q2 -BC547-Transistor NPN de uso geral

SCR - TlC106 - diodo controlado de silício

D1, D2 - 'lN5402 - diodo retificadores

D3 - 1N4002 ou equivalente - diodo de silício.

 

Resistores: (1/2 W, 5%)

R1 - 280 ohms

R2 - 4,7 k ohms

R3 - R4 -1k2 ohms

R5 - 470 ohms

P1 - 10 k ohms - potenciômetro

 

Capacitores:

C1- 4 700 uF x 40 V - eletrolítico

C2 - 10 uF x 40 V - eletrolítico

C3 - 100 uF x 25 V - eletrolítico

 

Diversos:

Rx - ver texto

T1 - Transformador com primário de acordo com. a rede local e secundário de

18+18 V ou 20+20 V x 3 A

F1 - Fusível de 2 A

S1 - Interruptor simples

Placa de circuito impresso, radiador de calor para o transistor de potência, caixa para montagem, cabo de alimentação, fios, solda, suporte de fusível, etc.

 

BUSCAR DATASHEET

 


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

 

Opinião

Novidades de Outubro (OP196)

Ainda repercutindo nosso mês de aniversários, completamos o mês com a participação da IoT Latin America 2019 onde atendemos nossos amigos no estande da Mouser Electronics. Como sempre, tivemos a satisfação de encontrar amigos, colaboradores e clientes, trocando ideias sobre negócios e o futuro da tecnologia.

 

Leia mais...

Rir
Quem ri por último, perdeu todo o tempo que passou sem rir.
Eno Teodoro Wanke Reflexes Marotinhas - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)