Controle PWM de Motor DC (MEC139)

Um dos grandes problemas do controle de pequenos motores é manter o torque em toda a faixa de rotações. A não linearidade do comportamento desses motores dificulta o uso de controles lineares e a solução mais usada consiste no emprego de um controle PWM. Descrevemos nesse artigo um controle que serve para motores de 3 a 12 V e que exijam correntes até aproximadamente 2 A.

A velocidade de um pequeno motor de corrente contínua depende da carga mecânica a ele acoplada. Essa velocidade pode ser controlada alterando-se a tensão aplicada ao motor e com isso a corrente através de suas bobinas.

Em suma, podemos controlar a velocidade de um pequeno motor com a utilização de um reostato ligado em série com a sua alimentação, conforme mostra a figura 1.

 


 

O que temos então é um controle linear de velocidade que atua diretamente sobre a potência do motor a qual depende da carga mecânica.

Este tipo de controle tem diversas desvantagens. Uma delas, e a principal, é que não se consegue manter a velocidade constante nas baixas rotações, pois a variação da carga reflete no circuito com perdas de potência e até oscilações.

Outro problema bastante desagradável nesse circuito é que ele não consegue proporcionar uma partida suave para o motor que tende a dar "um salto" quando a tensão mínima que o tire do repouso é alcançada.

Esse comportamento errático dos controles lineares entretanto pode ser eliminado com o uso de um controle PWM ou Pulse Width Modulation (Modulação por Largura de Pulso).

 

O que é PWM

Se levarmos em conta que a potência e, portanto, a velocidade de um pequeno motor DC depende da tensão aplicada podemos usar de um artifício interessante para variar essa potência sem, entretanto, modificar a tensão aplicada ao motor.

A idéia consiste em trabalhar com o tempo como uma segunda variável no circuito de controle.

Se aplicarmos ao motor pulsos retangulares que tenham a tensão nominal do motor, mas que durem 50% do tempo, ou seja, um ciclo ativo de 50%, como mostra a figura 2, podemos dizer que a potência média do motor será 50% da máxima.

 


 

No entanto, como cada pulso tem a tensão máxima nominal, o motor não sente com a inércia que ocorre quando aplicamos baixas tensões, mantendo seu torque.

Para aumentar a potência aplicada, obtendo-se maior velocidade basta aumentar a largura do pulso, e para diminuir a velocidade ou a potência aplicada, basta diminuir a velocidade do pulso.

Em suma, podemos controlar a velocidade, mas mantendo o torque numa faixa mais próxima do máximo, modulando os impulsos aplicados em sua largura, daí o nome dessa técnica amplamente usada nas aplicações de mecatrônica em todos os níveis.

Veja então que um motor que tenha esse tipo de controle pode girar sem quase perder o torque a partir do zero, conseguindo-se rotações muito baixas, impossíveis de obter com um controle linear.

 

O Controle PWM

Um controle PWM típico é então formado por um oscilador retangular que tenha o ciclo ativo ajustado através de um potenciômetro.

O sinal desse oscilador é então aplicado a um dispositivo de potência que tanto pode ser um transistor de efeito de campo de potência (MOSFET de potência) como um Darlington de potência.

A freqüência típica de um circuito desse tipo estará entre 50 e 2 000 Hz dependendo do motor usado.

No nosso circuito usamos um circuito 4093 para formar o oscilador tendo o ciclo ativo e, portanto, a modulação controlada por P1. Outros osciladores retangulares que possam ter o ciclo ativo alterado também funcionarão em configurações semelhantes.

O mesmo circuito oscilador também pode ser elaborado com portas NAND ou NOR como a 4001 ou 4011, no entanto, dada as características não disparadoras desses Cis, o circuito poderá gerar um pouco mais de interferência ou oscilações.

 

Montagem

Na figura 3 temos o circuito completo do controle PWM para motores entre 3 e 12 V. A corrente máxima dependerá do transistor usado.

 


 

Sugerimos fazer a montagem experimentalmente numa matriz de contactos e depois passá-la para uma placa universal com o mesmo padrão.

Os componentes não são críticos, mas o transistor deve ser dotado de um radiador de calor, se a corrente exigida pelo motor for maior do que 200 mA.

A mesma disposição vale para os transistores Darlington TIP120, TIP130 e outros da mesma série assim como para os transistores MOSFET de potência da série IRF.

A fonte de alimentação pode ser formada por pilhas ou fonte externa que forneça a corrente exigida pelo motor.

O capacitor C2 eventualmente deve ter seu valor alterado para evitar os "soquinhos" que podem ocorrer em velocidades baixas com determinados tipos de motores. O capacitor C3 eventualmente também pode ser alterado no sentido de se obter a melhor potência com o motor usado.

Para R3 o valor depende do transistor usado. Pode ser de 1 k ? para MOSFETs de potência e 4,7 k? para Darlingtons de potência.

O diodo D1 tem por finalidade impedir que a elevada tensão gerada no motor pela comutação volte para o transistor podendo causar sua queima.

 

Prova e Uso

Basta ligar o circuito na alimentação e um motor de corrente contínua em sua saída. Atuando-se sobre P1, deve ser observada uma alteração de sua velocidade, sem perda apreciável da potência.

Se o motor tender a oscilar ou travar em certas rotações altere C2 e C3.

O mesmo circuito também pode ser usado como "dimmer" ou controle digital de potência para o brilho de lâmpadas incandescente, força para solenóides e também de temperatura para pequenos elementos de aquecimento à base de resistências de nicromo.

 

CI-1 - 4093 - circuito integrado CMOS

Q1 - TIP120 ou IRF630 (Darlington ou MOSFET de potência - ver texto)

D1 - 1N4004 - diodo de silício

R1 - 1 M ? x 1/8 W - resistor - marrom, preto, verde

R2 - 2k2 x 1/8 W - resistor - vermelho, vermelho, vermelho

R2 - 1 k a 4k7 - resistor - marrom, preto, vermelho ou amarelo, violeta, vermelho - ver texto

C1 - 10 nF - capacitor cerâmico ou poliéster

C2 - 22 nF - capacitor cerâmico ou poliéster

C3 - 100 µF x 16 V - capacitor eletrolítico

M1 - Motor de corrente contínua de 3 a 12 V - ver texto

P1 - 100 k ? - potenciômetro linear

 

Diversos:

Matriz de contactos ou placa de circuito universal, pilhas ou fonte de alimentação, fios, botão para o potenciômetro, solda, etc.

 

Opinião

Ritmo de Segundo Semestre (OP170)

No mês de agosto participamos de eventos, mas sem perder o ritmo na produção de novos artigos e livros. Estamos a pleno vapor, sempre inovando e procurando trabalhar para manter a qualidade de nosso site, uma referência para os que estudam, ensinam ou trabalham com eletrônica e as tecnologias que dela derivam.

Leia mais...

Verdade
A verdade é filha o tempo. (Veritas temporis filia)
Auro Gélio (sec II d.C.) - Noites Altas - Ver mais frases

Instituto Newton C Braga - 2014 - Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site
Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)