NOSSAS REDES SOCIAIS -

Oscilador para Magnetoterapia (MA059)

Se bem que os efeitos dos campos magnéticos sobre a saúde sejam controvertidos, muitos utilizam pequenos aparelhos que geram campos magnéticos e até mesmo imãs na tentativa de alívio de certas dores ou outros problemas. O oscilador que descrevemos é experimental. Não prometemos curas ou efeitos maiores, deixando por conta do leitor procurar saber mais de fontes apropriadas.

Apregoa-se que campos magnéticos de baixas frequências podem ter efeitos benéficos em algumas situações que envolvam saúde.

Por exemplo, já foi verificado que a recuperação de fraturas pode ser acelerada com a ajuda de campos magnéticos externos.

Dores, segundo se acredita, também podem ser aliviadas sob certas condições com a ajuda de campos de baixas frequências e até mesmo a presença de imãs permanentes, como sugere a figura 1.

 

 Figura 1 – Uma aplicação da magnetoterapia
Figura 1 – Uma aplicação da magnetoterapia

 

No entanto, também existem estudos que mostram que campos intensos podem ser prejudiciais à saúde como os criados pelas linhas de transmissão de energia.

Assim, nosso projeto não promete nenhum efeito, pois isso é por conta de cada um.

Apenas ensinamos a montar um pequeno gerador de campos magnéticos de pequena intensidade que podem ser aplicados em pequenas regiões do corpo com as finalidades discutidas anteriormente.

O campo é de baixa intensidade, não oferecendo perigo e o manuseio do aparelho é simples e seguro.

 

Como Funciona

Quando uma corrente elétrica circula por uma bobina, conforme mostra a figura 2, um campo magnético é criado.

 

   Figura 2 – Campo magnético de uma bobina
Figura 2 – Campo magnético de uma bobina

 

A intensidade desse campo dependerá da intensidade da corrente e também do número de espiras da bobina.

Assim, para criar um campo magnético de baixa frequência, o que fazemos é usar um oscilador e um amplificador que aplicam o sinal a uma pequena bobina, como a mostrada na figura 3.

 

  Figura 3 – Uma bobina com núcleo de ferrite
Figura 3 – Uma bobina com núcleo de ferrite

 

O circuito também pode ser usado em experimentos, no laboratório de biologia ou botânica para se estudar o efeito de campos em animais.

 

Montagem

Na figura 4 temos então o circuito completo do aparelho que faz uso de um circuito integrado CMOS como oscilador.

 

  Figura 4 – Circuito do oscilador
Figura 4 – Circuito do oscilador

 

Para uma versão experimental, o circuito pode ser montado numa matriz de contatos com a disposição dos componentes mostrada na figura 5.

 

   Figura 5 – Montagem em matriz de contatos
Figura 5 – Montagem em matriz de contatos

 

Na montagem, observe a posição do circuito integrado e do transistor.

Nesta versão, damos a alimentação por uma fonte, mas nada impede que pilhas médias ou grandes sejam usadas, pois o consumo do circuito é algo elevado.

O transformador tem uma corrente de secundário de 500 mA aproximadamente.

Na figura 6 temos uma sugestão de caixa para a montagem.

 

Figura 6 – Sugestão de montagem
Figura 6 – Sugestão de montagem

 

A bobina é de construção caseira podendo ser enrolada numa pequena forma de papelão ou caixa com as dimensões mostradas na figura 7.

 

   Figura 7 – Enrolando a bobina
Figura 7 – Enrolando a bobina

 

Esta bobina consta de 30 a 100 espiras de fio esmaltado que pode ter qualquer espessura entre 28 e 32 AWG.

Um cabo com plugues serve para conectar a bobina ao aparelho.

 

Prova e Uso

Para testar, basta ligar o aparelho e aproximar a bobina de um rádio AM sintonizado fora de estação.

Se o circuito estiver funcionando uma interferência deve ser captado.

Também podemos testar o circuito ligando em sua saída um transdutor piezoelétrico ou mesmo um pequeno alto-falante que deverá apitar.

S2 comuta um alto-falante justamente de modo a se verificar o funcionamento.

S3 serve para aplicações momentâneas ativando o aparelho por curtos intervalos de tempo.

Para usar, basta posicionar a bobina sobre o local em que se deseja aplicar o campo magnético.

 

CI-1 – 4011 – circuito integrado CMOS

Q1 – TIP110 – transistor Darlington de potência

D1, D2 – 1N4002 – diodos de silício

S1, S2 – Interruptores simples

S3 – Interruptor de pressão

F1 – fusível de 500 mA

T1 – Transformador – ver texto

T – bobina

C1 – 2n2 – capacitor cerâmico ou poliéster

C2 – 1000 µF x 12 V – capacitor eletrolítico

R1 a R3 – 10 k Ω x 1/8 W – resistores – marrom, preto, laranja

P1 – 470 k Ω – potenciômetro

 

Diversos:

Placa de circuito impresso ou matriz de contatos, cabo de força, material para a bobina, fios, solda, etc.

 

 

BUSCAR DATASHEET

 


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

 

Opinião

Novembro chegando (OP197)

Novembro é o mês de encerramento das aulas e com isso, diferentemente do que muitos pensam, as atividades estudantis não terminam. Alguns curtirão suas férias, mas outros ficam para exames e mais ainda, precisam terminar seus TCCs.

Leia mais...

Tempo
Tempo é dinheiro. (Time is Money.)
Teofrasto (1372-2877 a.C.) provérbio inglês inspirado numa frase de Teofrasto - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)