Transmissor Automático de Conversas Telefônicas (TEL205)

Escrito por Newton C Braga

Uma maneira mais segura de se interceptar conversas telefônicas consiste em se ligar um transmissor à linha e fazer a escuta ou gravação a distância. Evidentemente, os mesmos problemas do projeto anterior devem ser considerados: a necessidade de se ter alguém próximo para acionar o aparelho e a possibilidade do sinal estar sempre presente no ar, facilitando assim sua detecção.

O aparelho que propomos é muito interessante, pois ele é alimentado pela própria linha telefônica, não necessitando, portanto, de pilhas ou bateria e, além disso, é acionado somente quando o fone é tirado do gancho.

Seu alcance é da ordem de 50 metros, o que permite que o agente se posicione em local seguro com seu receptor e o gravador e a operação pode tanto ser programada para a faixa de FM como de VHF.

De montagem bastante compacta, ele é conectado à linha telefônica em menos de 1 minuto, e pode ser escondido em qualquer parte.

O consumo, por outro lado,é suficientemente baixo para não carregar de modo sensível a linha, o que pode causar suspeitas ao vigiado.

 

COMO FUNCIONA

Na figura 1 damos o diagrama completo do transmissor interceptador telefônico automático.

 

Figura 1 – Diagrama do transmissor
Figura 1 – Diagrama do transmissor

 

Uma ponte de 4 diodos serve tanto para alimentar o circuito, independente da polaridade da conexão, como também para acionar o circuito transmissor.

Assim, quando o fone está no gancho, a tensão que aparece na ponte e alta e com isso o transistor é polarizado no corte, de modo a não alimentar o transmissor. 0 transmissor, nestas condições, se mantém fora do ar.

O ajuste do ponto de corte em função da tensão da linha é feito pelo trimpot P1. Este ajuste e interessante, pois tanto em função das características dos componentes como pelas variações que a tensão da linha pode ter pelo seu comprimento, não se conseguiria um acionamento perfeito com o uso de componentes fixos.

Uma possibilidade de se obter um ajuste fixo, mas ainda assim sujeito a não operação em linhas com tensões muito baixas, devido ao comprimento do fio, seria trocar R2 por um diodo zener de 24 V.

Quando o fone é retirado do gancho, a tensão da linha cai e com isso a polarização de base proporcionada por R3 e P1 passa a predominar, levando o transistor Q1 a condução.

O resultado da condução é a alimentação com uma tensão entre 4 e 12 V do pequeno transmissor com base no transistor Q2.

Neste transmissor, a bobina L1 em conjunto com CV1 determina a frequência de operação, que pode estar entre 50 e 150 MHz.

Evidentemente, o agente deve ter um receptor capaz de sintonizar a frequência para a qual o circuito foi montado e ajustado.

A polarização de base para o transistor oscilador é dada pelos resistores R5 e R6, enquanto que CS serve de desacoplamento de base e como corte para as altas frequências de modulação, evitando assim que os ruídos da linha telefônica sejam transmitidos.

A modulação vem do áudio da própria linha telefônica através do resistor R4 e do capacitor C7.

Eventualmente, em função das características dos componentes, o resistor R4 pode ser alterado na faixa de 10 k ohms a 220 K ohms no sentido de se obter a melhor modulação. Sugerimos aos montadores que façam experiências depois da montagem no sentido de obter o valor que dê o melhor desempenho.

O capacitor C7 pode ser alterado na faixa de 22 nF a 220 nF, sem problemas.

Os sinais gerados pelo oscilador que é alimentado somente quando o fone é retirado do gancho são irradiados pela antena.

 

MONTAGEM

A disposição dos componentes numa placa de circuito impresso é mostrada na figura 2.

 

Figura 2 – Placa para a montagem
Figura 2 – Placa para a montagem

 

Para a bobina temos as seguintes características conforme a faixa de frequências, sempre enrolada com fio 22 a 26 em fôrma de 1 cm sem núcleo:

Frequência Espiras
50 a 80 MHz 5 ou 6
80 a 100 MHz 4
100 a 130 MHz 2 ou 3
130 a 150 MHz 1

Para o caso da faixa de 100 a 150 MHz, será conveniente reduzir o capacitor C6 para 2,2 pF ou mesmo 1 pF.

Os diodos admitem equivalentes e todos os resistores são de 1/8 W. O trimmer CV1 pode ter capacitâncias máximas entre 20 e 50 pF. Os capacitores menores devem ser todos cerâmicos, exceto C7 que deve ser de poliéster metalizado.

Os capacitores eletrolíticos devem ter uma tensão de trabalho de pelo menos 16V , exceto C1 que deve ser de 25 V ou mais.

Os transistores admitem equivalentes como o BC558 para Q1 e o BF495 ou 2N2218 para Q2.

Não se deve aumentar a potência do circuito com a troca de Q1 por um BD135 e Q2 por um 2N2218 com a redução de R7 para 47 ohms, pois isso poderia carregar o circuito, reduzindo o volume do telefone vigiado, causando assim suspeitas.

O conjunto cabe facilmente numa pequena caixa plástica que deve ter apenas duas garras jacaré para conexão à linha e a antena.

A antena é um pedaço de fio comum encapado de até 80 cm de comprimento.

 

PROVA E USO

Para a prova de funcionamento basta ligar as garras a uma fonte de 6 V e ajustar CV1 para captar a portadora do sinal numa frequência livre da faixa desejada. A antena pode ficar esticada sobre a mesa para esta finalidade e o ajuste deve ser feito com uma chave não metálica.

Feito este ajuste, teste o aparelho numa linha telefônica, agora ajustando P1 para que o acionamento ocorra quando o fone for retirado do gancho.

Altere os componentes citados no item anterior, se julgar necessário.

Para usar, descasque rapidamente a linha nos pontos de conexão e coloque as garras jacaré, tomando cuidado para não deixar os fios encostarem um no outro. Posicione a antena de modo que fique longe de fios e objetos de metal, e deixe rapidamente o local.

Conecte na saída de fone do receptor um gravador se quiser registrar as conversas.

 

 

Semicondutores:

Q1 - BC557 ou equivalente - transistor PNP de uso geral

Q2 - BF494 ou equivalente - transistor de RF

D1 e D4 - 1N4002 - diodos de silício

 

Resistores: (1/8 W, 5%)

R1 - 470 ohms

R2 - 47 k ohms

R3 - 1 k ohms

R4 - 100 k ohms

R5 - 10 k ohms

R6 - 5,6 k ohms

R7 - 100 ohms

P1 - 47 k ohms - trimpot

 

Capacitores:

C1 - 100 uF/25 V - eletrolítico

C2 - 1 uF/16 V - eletrolítico

C3 - 10 uF/ 16 V - eletrolítico

C4 - 100 nF - cerâmico

C5 - 22 nF - cerâmico

C6 - 4,7 pF - cerâmico

C7 - 22 nF - poliéster

CV1 - trimmer - ver texto

 

Diversos:

L1 - bobina de antena - ver texto

A - antena - ver texto

Placa de circuito impresso, caixa para montagem, garras jacaré, fios, solda, etc.

 

Artigo publicado originalmente em 1985