Amplificador Valvulado (V949)

Escrito por Newton C Braga

Este amplificador fornece em tomo de 2 W de potência com excelente qualidade de som, constituindo-se numa sugestão para aproveitamento de componentes de sucata, projetos que visam entender o funcionamento de válvulas e até em algumas aplicações práticas interessantes, como por exemplo, um sistema de intercomunicação ou aviso.

Válvulas 6AV6 e 6AQ5 ou 6L6 podem ser encontradas em bom estado em muitos rádios antigos abandonados. Utilizando os soquetes destas válvulas as próprias válvulas e alguns componentes adicionais poderemos montar um interessante (e sensível) amplificador de áudio, com sensibilidade para operar com microfones de cristal, ou outras fontes de sinal.

O circuito opera diretamente a partir da rede, não em tocar no seu chassi.

 

Como Funciona

sendo necessário usar o transformador de alimentação de alta tensão, que nem sempre é disponível no aparelho de sucata desmontado.

Lembramos, entretanto, que por estar diretamente com os elementos ligados à rede, este circuito pode causar choques em qu

A válvula 6AV6 é a pré-amplificadora, consistindo num triodo com dois diodos (eletrodos adicionais). Estas válvulas eram utilizadas em rádios antigos como detectores e pré-amplificadores de áudio, com excelente ganho.

A válvula em questão excita diretamente um pentodo de potência do tipo 6AQ5 ou 6L6. Estes pentodos podem excitar diretamente um alto-falante com a ajuda de um transformador de saída.

O transformador é necessário, pois as válvulas são dispositivos de alta impedância, enquanto os alto- falantes são dispositivos de baixa.

A fonte, a partir da rede, fornece aproximadamente 150 V se a rede for de 110 V e o dobro, na rede de 220 V. A filtragem e feita por dois eletrolíticos de alta tensão e um resistor, numa configuração em PI (?).

O capacitor C7 evita o aparecimento de oscilações de altas frequências, desacoplando o circuito.

C3 atua sobre a tonalidade, podendo ser reduzido se for desejado um som mais agudo.

 

MONTAGEM

Na figura 1 temos o diagrama completo do amplificador.

 


 

 

Na figura 2 temos a disposição dos componentes num chassi de alumínio ou outro metal. Note que o terra do circuito deverá ligado à essa carcaça.

 


 

 

As válvulas, transformadores e capacitores eletrolíticos são montados sobre o chassi, enquanto que os componentes menores ficam por baixo.

Observe a numeração dos pinos das válvulas feita a partir do intervalo maior no sentido horário, olhando-se por baixo. Devemos usar soquetes miniatura de 7 pinos, que podem ser retirados juntamente com a válvula do próprio rádio em que elas se encontram.

O transformador de saída é outro componente que pode ser retirado do próprio rádio, pois já está “casado" com ele, por suas características, proporcionando assim um bom desempenho.

Para se evitar roncos da alimentação, o cabo de entrada deve ser blindado com a malha aterrada.

O controle de volume pode ser aproveitado também do velho rádio, sendo um potenciômetro de 220 k, 470 k ou mesmo 1 M.

Os capacitores C1, C2 e C3 devem ter tensão de isolamento de 250 V ou mais, enquanto que C5 e C6, assim como C7 dependem da rede. Para a rede de 110 V, estes capacitores devem ser pelo menos de 150 V. Para a rede de 220 V, de pelo menos 300 V.

O resistor R4 deve ser de fio com 10 W de dissipação. Os demais resistores podem ser de 1/8 ou ¼ W, sem problemas.

A lâmpada neon é optativa, servindo apenas para indicar que o aparelho está ligado. Em lugar do diodo 1N4007 pode também ser usado o BY127.

Para o aquecimento dos filamentos usamos um transformador (T1) que tem enrolamento primário, de acordo com a rede local e secundário de 6 V com corrente de 500 mA. Na figura 3 temos o aspecto final da montagem; observe a posição do controle de volume.

 


 

 

 

PROVA E USO

Ligue o amplificador à alimentação e espere pelo menos uns 2 minutos para o aquecimento total das válvulas.

Depois, encoste o dedo no fio de entrada de P1, abrindo-o totalmente: deve haver a produção de ronco no alto-falante em vista da entrada de corrente alternada.

Comprovado o funcionamento, é só usá-lo.

Na figura 4 temos o modo de ligação de um alto-falante comum como microfone para se elaborar um sistema de chamada ou intercomunicação.

 


 

 

Para microfones de cristal ou fonocaptores não será necessário utilizar transformador ou pré-amplificador; A ligação é direta. Se o ronco persistir, basta inverter a posição da tomada (girar de 180 graus) para haver redução.

 

V1 - 6AV6 - válvula triodo de áudio

V2 - 6AQ5 - válvula pentodo de áudio

T1 - transformador com primário de acordo com a rede local e secundário de 6 V x 500 mA

T2 - transformador de saída para válvula 6AQ5 ou 6L6 com secundário de 4 ou 8 ohms conforme o alto-falante usado

S1 - interruptor simples

P1 - 1 M - potenciômetro com chave (S1)

NE-1 - lâmpada neon (optativa)

D1 - 1N4007 ou BY127 - diodo retificador

C1, C2, C7 – 100 nF – 250 V- capacitor cerâmico ou poliéster

C3 – 100 nF x 250 V - capacitor de poliéster

C4 – 47 uF x 25 V - capacitor eletrolítico

C5, C6 - 8,uF a 50,uF x 25 V ou mais

R1 - 1M5 - resistor (marrom, verde, verde)

R2 – 100 k - resistor (marrom, preto, amarelo)

R3 - 270 ohms - resistor (vermelho, violeta, marrom)

R4 - 1k x 10 W - resistor de fio

R5, R6 – 470 k - resistores (amarelo, violeta, amarelo)

F 1 - fusível de 1 A

FTE - alto-falante de 4 ou 8 ohms

Diversos: chassi de metal, soquetes de 7 pinos miniatura para as válvulas, cabo de alimentação, tios blindados, leque de entrada tipo RCA, terminais de ligação ou bornes para o alto-falante, suporte para fusível, etc.