NOSSAS REDES SOCIAIS -

Medidas de tensões em fontes de aparelhos valvulados (V004)

Neste artigo, baseado no nosso livro Instrumentação Eletrônica – Volume 2, ensinamos como utilizar o multímetro para a medida de tensões nos circuitos valvulados.

As fontes típicas de aparelhos valvulados possuem dois setores: um de alta tensão para polarização das válvulas, com uma ou mais tensões contínuas variando entre 80 e 1000 volts, e um setor de baixa tensão alternada para alimentação dos filamentos das válvulas, com uma ou duas tensões geralmente de 5 a 6 V ou para os casos de filamentos em série, de 5 a 50 V, conforme mostra a figura 1.

 

 


Figura 1 – Fontes típicas de alimentação de aparelhos valvulados. No primeiro caso, com transformador e no segundo caso, com filamentos em série.


Daremos então o procedimento para análise nos dois tipos de fonte conforme se segue.

Procedimento 1
a)Coloque o multímetro numa escala de tensão contínua que permita ler o valor esperado - se tiver dúvidas, comece com a mais alta - volts DC;
b)Ligue o aparelho, depois de verificar se o fusível de proteção e o próprio transformador estão em ordem;
c)Meça a tensão contínua após o retificador e o filtro (figura 2).

 

Figura 2 – Verificando tensões contínuas depois do retificador e filtro.


Interpretação
Tensões normais - a fonte está em boas condições.
Há tensão após o retificador, mas não após o filtro - verifique os elementos do filtro - indutor ou resistor abertos.
Não há tensão após o retificador - verifique o retificador (diodo ou válvula) e depois se existe tensão alternada após o transformador (secundário).

Leitura - Condição
Tensão normal - Bom
Não há tensão após o filtro - Problemas no filtro
Não há tensão após o retificador - Problemas no retificador

Observação
Se o problema estiver no retificador queimado, verifique também os capacitores de filtro, retirando-os do circuito e testando. Capacitores entrando em curto levam o retificador e até mesmo o transformador à queima. Assim, antes de fazer a troca do retificador por um novo, é conveniente eliminar a causa de sua queima.



Procedimento 2
a)Coloque o multímetro numa escala de tensão alternada que permita ler a tensão de secundário do transformador (entre 80 V AC e 1000 V AC);
b)Ligue o aparelho e meça a tensão no secundário ou secundários de alta tensão (se for duplo), conforme mostra a figura 3.

 


Figura 3 – Verificando o enrolamento secundário do transformador – medindo tensões alternadas.

Interpretação
Não há tensão - desligue o transformador e verifique a continuidade todos os enrolamentos, pois podem haver interrupções.
Tensão normal - transformador bom - o problema é com o retificador ao após ele.
Tensão anormal - pode haver problema de curto entre espiras - se o transformador tender ao aquecimento ou fizer barulho de "fritura" estará caracterizado problema de curto.

Observações
A prova estática do transformador é feita com a medida da continuidade dos enrolamentos ( veja na seção de prova de componentes como proceder). Também deve ser verificada a possibilidade de curto entre algum enrolamento e a carcaça.

Observamos ainda que a tensão retificada tem um valor, sem carga, maior que o valor RMS medido na escala de tensão alternada. Se o retificador for do tipo semicondutor, uma prova estática é simples, bastando para isso que um dos terminais seja dessoldado. Meça então a resistência no sentido direto e depois no inverso. Se for válvula, a prova não pode ser feita desta maneira. Verifique então se o filamento acende. Uma válvula fraca tende a fornecer uma tensão anormalmente baixa com carga.

 



Procedimento 3
Este procedimento é indicado para retificadores "diretos", ou seja, em fontes de alta tensão sem transformador.
a)Coloque o multímetro numa escala de tensão contínua que permita leitura da tensão esperada - volts DC entre 150 e 1000 V DC;
b)Ligue a fonte e meça a tensão logo após o retificador e depois do filtro (figura 4).

 


Figura 4 – Medindo tensões em aparelhos com fontes sem transformador.

 


Interpretação
Tensão normal - fonte boa  - faça o teste com carga.
Tensão ausente após o filtro mas presente antes dele - verifique o resistor ou indutor, que podem estar abertos, ou ainda o capacitor após o filtro, que pode estar em curto.
Tensão ausente após o retificador - verifique o capacitor de filtro que pode estar em curto e o diodo retificador.

Observação
Todos estes testes supõem que a válvula retificadora, caso seja usada, esteja com o filamento aceso.

Leitura - Condição
Tensão normal - Boa
Tensão nula depois do filtro - Problema de filtro
Tensão nula depois do retificador - Problema de retificador

Observação
É claro que estes testes supõem que haja tensão alternada na entrada do circuito, o que pode ser medido conforme o seguinte procedimento.

 


Procedimento 4
a)Coloque o multímetro numa escala de tensão alternada que permita leitura de 110 V AC ou 220 V AC;
b)Meça a tensão na entrada do circuito retificador, conforme mostra a figura 5.

 


Figura 5 – Testes no circuito retificador


Interpretação
Tensão presente no valor correto - o problema, se existir, é após a retificação.
Tensão ausente - verifique o cabo de alimentação e o fusível.

Leitura - Condição
Tensão Correta - Normal
Sem tensão - Problemas

Observação
Veja que numa fonte deste tipo, o pólo de referência onde deve ser ligada a ponta de prova preta é o chassi. Todas as tensões da fonte são referidas em relação ao chassi (massa). Os circuitos deste tipo, por estarem conectados com o chassi diretamente à rede (havendo portanto perigo de choques) são denominados popularmente de "rabo quente" (*). Para os casos em que as fontes utilizam válvulas com filamentos em série, a verificação dos filamentos é simples. Podemos fazer simplesmente a medida da continuidade geral e depois a medida da continuidade de cada um, conforme o procedimento que damos a seguir.
(*) O nome “rabo quente” vem do fato de que estes receptores têm uma resistência redutora no próprio cabo de alimentação. Em funcionamento esta resistência se aquecia, daí o nome.

 



Procedimento 5
a)Coloque o multímetro na escala mais baixa de resistência: OHMS x1 ou OHMS x10 se for analógico. Se for digital use as escalas de 200 ou 2000 ohms.
b)Zere o multímetro se for analógico.
c)Meça a continuidade geral dos filamentos em série e depois a continuidade de cada um se a indicação na primeira medida for infinita.

A figura 6 mostra como deve ser feita esta prova.

 


Figura 6 – Medindo a continuidade dos filamentos.


Interpretação
Leitura infinita na primeira medida - há um ou mais filamentos abertos - válvulas queimadas.
Leitura infinita num filamento na prova individual - válvula queimada.
Leitura de baixa resistência na primeira medida - todas as válvulas com os filamentos em ordem.

Leitura - Condição
Baixa resistência - Bom
Infinito - Aberto

Observação
Uma válvula não funciona com o filamento aberto. Deve ser feita sua substituição, não sem antes fazer a verificação da causa de sua queima.

Artigos Relacionados

BUSCAR DATASHEET

 


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

 

Opinião

Terminando mais um ano (OP198)

Estamos chegando ao final de mais um ano de muito trabalho. Não temos que nos queixar de nossas realizações. Fizemos muito e constatamos que temos ainda muito mais por fazer. Os 365 dias de 2019 não foram suficientes para colocarmos em prática todas as nossas ideias, muitas das quais ficaram para o próximo ano.

 

Leia mais...

Morte
A notícia da minha morte é muito exagerada. (The reports of my death are greatly exagerated.)
Mark Twain (1935 - 1910) -Telegrama Associated Press - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)