O Site do Hardware Livre - OSHW

Drones e Realidade Virtual nas Olimpíadas de Inverno 2018

Os próximosjogos olímpicos estão se aproximando – sendo assim novidades sobre o que será feito de diferente, no quesito tecnologia, durante asXXIII Olimpíadas de Inverno de 2018 são notícia. O evento será na cidade sul-coreana de Pyeongchang e algumas dessas inovações foram reveladas semana passada a partir da parceria assinada entre a gigante dos processadores, Intel, e o Comitê Olímpico Internacional (COI).

 

Já fazia algum tempo que a empresa, com base naCalifórnia, estava visando a indústria dos esportes para o lançamento de tecnologias emergentes que vão além do universo dos computadores – como a de Realidade Virtual, ou VR (do inglês, Virtual Reality), drones, e serviços 5G. E foi isso que ela conseguiu: começando ano que vem até 2024, o que significa que incluirámais 4 eventos esportivos em seus esforços de modernização para o futuro: os Jogos Olímpicos de Tóquio de 2020, os de Inverno em Pequim em 2022, e as Olimpíadas de 2024 que ainda não tem sede definida.

 

A intenção é expandir as possibilidades de transmissão do evento e alcançar o máximo de pessoas possível em diferentes plataformas com suas soluções tecnológicas. O crescimento das redes digitais e tecnologias midiáticas já havia contribuído para o aumento da cobertura dos eventos, que antes eram limitados aos espectadores ao vivo nos estádios, depois passou a ter cobertura televisiva e agora passa por uma nova era de mudanças. Isso foi feitopara melhorar a experiência dos fãs e entusiastas de esporte.

 

A tecnologia de VR oferecerá a primeira transmissão ao vivo - quase que literalmente eem 3D - em realidade virtual já feita. A ação dos jogos será coberta de todos os ângulos e nada será perdido com a tecnologia de replay 360 graus, com a ajuda de drones para capturar o máximo de imagens possível. Tudo isso divulgado com o poder da próxima geração de conexão sem fio 5G, em plataformas que até ano que vem se planeja estarem mais difundidas.

 

Trazer inovações a partir dos eventos olímpicos não é algo inédito. A cada dois anos os jogos são um verdadeiro palco de testes e lançamentos de avanços em diferentes áreas, não só para melhorar a divulgação dos jogos, mas para otimizar a organização dos eventos, diminuir a probabilidade de incidentes e facilitar a contagem dos pontos.

 

 

 

Um exemplo utilizado nas últimas Olimpíadas no Rio de Janeiro foi a versão aperfeiçoada da câmera de photofinish, dispositivo que captura a imagem de cada corredor ao cruzar a linha de chegada, que possibilitou o registro de 10 mil imagens digitais em linha vertical por segundo. Ainda no atletismo, os blocos de partida também foram embutidos com sensores para medir a força do atleta no suporte para os pés, que for terem uma taxa de registro de 4 mil vezes por segundo, conseguem indicar com precisão quando algum competidor queima a largada, o que causa sua eliminação.

 

A natação também se beneficiou com um contador eletrônico submerso na raia de cada atleta, próximo das bordas, que registra o número de voltas e os dados parciais de cada, para saber quantos metros já foram percorridos e em que momento da prova ele está a cada virada, nas longas de 800 e 1.500 metros nado livre.

 

Além dessas tecnologias desenvolvidas exclusivamente para as Olimpíadas de 2016, no Brasil, o mesmo aconteceu nos últimos Jogos Olímpicos de Inverno, que tomaram lugar em 2014, em Sochi – cidade russa conhecida por sediar diversos eventos importantes como um dos maiores festivais de poker da Europa e oGrande Prêmio da Rússia de Fórmula 1. Lá, muitas atualizações inovadoras e tecnológicas ajudaram os atletas a melhorar seu desempenho, especialmente em circunstâncias extremas devido ao clima frio e devido àneve.

 

Uma delas foi o traje especial para patinação de velocidade Mach 39, desenvolvido com tecnologia militar para ajudar a reduzir o atrito da fricção entre as coxas dos atletas e com uma área furada nas costas para dissipação do calor. O objetivo é aumentar levemente a velocidade dos patinadores. Além de aparatos para usar nas competições, foi instalado um Sistema de Reconhecimento Facial, o Broadway 3D da empresa Artec ID, nos aeroportos devido ao grande fluxo de turistas visitando a cidade. Ele écapaz de identificar de forma rápida e precisa o rosto de alguém – mesmo usando chapéu ou óculos de sol, já que pode analisar até quarenta mil pontos faciais. O equipamento étão avançado que consegue identificar gêmeos idênticos.

 

E essas são apenas algumas amostras das dezenas que opções que podem ser citadas e que continuarão cada vez mais a se desenvolver e a serem aplicadas não apenas nas competições esportivas – mas aproveitadas em outros âmbitos da sociedade.

 

 

 

Opinião

Mês de trabalho e surpresas (OP173)

Continuamos com nosso trabalho, produzindo artigos, desenvolvendo atividades como a preparação de eventos, programando palestras para este e para o próximo ano e muito mais. Não paramos. Nosso site, e as versões em espanhol e inglês crescem em acessos e importância, o que nos leva a cada vez mais colocar novos artigos nestas mídias.

Leia mais...

BUSCA DATASHEET

N° do componente->   (Como usar este quadro de busca)


Selo
O selo é um ser pegajoso, cujo destino é viajar.
Eno Teodoro Wanke (1929) - As Costeletas de Adâo - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)