Fuzz Booster (ART2128)

Fuzz-booster é um efeito para instrumentos de corda (guitarras, violão, etc.) que modifica o timbre do som através de uma distorção. Se o leitor tem um conjunto musical ou ainda toca algum Instrumento de corda e quer experimentar este efeito de uma maneira simples, a montagem de um fuzz-booster não apresenta muitas dificuldades.

Descrevemos neste artigo um circuito muito simples, baseado em configuração comercial, que proporciona o efeito de fuzz (distorção) e booster (reforço) para instrumento de cordas.

O circuito eletrônico pode ser intercalado entre a maioria dos instrumentos de corda e os amplificadores. As restrições ocorrem apenas em relação a determinados tipos de cápsulas cujas baixas impedâncias podem não casar com as características do circuito, exigindo-se então um pré-amplificador.

Alimentado por uma única bateria de 9 V ou então por 6 ou 8 pilhas pequenas, não recomendamos o uso de fonte pelo ruído que pode produzir, este aparelho é bastante compacto, possui baixo consumo de corrente e é muito fácil de usar.

A qualquer momento, por simples desencaixe dos plugues o leitor pode retirá-lo de funcionamento voltando seu instrumento à operação normal.

Alterações de alguns componentes permitem alterar o ganho do circuito em função de seu instrumento, e os ajustes de efeito são conseguidos em apenas dois controles.

 

CARACTERÍSTICAS:

Tensão de alimentação: 9 a 12 V

Consumo: 10 mA (tip)

Ganho: 1 000 vezes (tip)

Impedância de entrada: 10 k ohms

Impedância de saída: 5 k ohms

Sinal de saída: até 9 Vpp

 

COMO FUNCIONA

Um sinal puro tem uma forma de onda senoidal, conforme mostra a figura 1. instrumentos de corda não geram um som puro como este, mas normalmente seu timbre é tal que as formas de onda são bastante suaves, se aproximando bastante de uma senóide.

 

Figura 1 – Som puro
Figura 1 – Som puro

 

As diferenças são justamente fatores determinantes do timbre do instrumento, ou seja, o que permite diferenciamos notas iguais de um violão ou de uma guitarra, mesmo tendo as mesmas freqüências, conforme mostra a figura 2.

 

Figura 2 – Sons de timbres diferentes
Figura 2 – Sons de timbres diferentes

 

Veja então que, se modificarmos a forma de onda de um som gerado por uma corda vibrante de um instrumento musical, também modificamos o seu timbre.

A nota não muda, mas muda o modo como o instrumento soa e isso é um efeito importante para a música.

Um amplificador ideal não deve distorcer um sinal a ser reproduzido, e isso é válido para as caixas amplificadas, normalmente usadas com os conjuntos musicais.

No entanto, podemos introduzir circuitos amplificadores, nos sistemas que propositalmente causem deformações nos sinais, apenas de certos instrumentos, obtendo-se então o efeito fuzz.

Uma maneira simples de conseguirmos uma deformação é usar um amplificador que tenha um ganho tão alto que ele sature com um sinal, de modo a cortá-lo de determinada forma.

Assim, para um sinal senoidal, se ocorrer a saturação antes do sinal chegar ao máximo, teremos um 'achatamento' conforme mostra a figura 3 e, portanto, uma modificação de forma de onda ou timbre.

 

Figura 3 – Alterando a forma de onda
Figura 3 – Alterando a forma de onda

 

Outra forma de obtermos uma deformação é colocarmos no percurso do sinal, na sua saída, por exemplo, após o achatamento, uma rede RC que provoque uma queda exponencial, de tal forma que nova modificação seja conseguida, conforme mostra a figura 4.

 

Figura 4 – Usando uma rede RC para deformar o sinal
Figura 4 – Usando uma rede RC para deformar o sinal

 

O resultado final é então algo como uma forma de onda, e timbre completamente diferente do original, o que se traduz num efeito muito interessante.

No nosso projeto fazemos justamente isso. Um amplificador operacional do tipo 741 é usado para ampliar o sinal do instrumento, mas com um ganho tão grande (determinado por R2) que facilmente ocorre a saturação.

O ganho de 1 000 vezes do circuito, dado pela relação entre R2 e R1 facilmente leva o circuito a saturação, quando ajustamos P1 e com isso o recorte do sinal.

Na saída do operacional já temos um sinal deformado, mas ainda assim o passamos por um circuito RC que o torna ainda mais recortado, levando-o a uma saída com picos que tornam o efeito final muito interessante.

A intensidade de saída, para excitar o amplificador final sem alterações a partir daqui é obtida ajustando-se P2.

A alimentação vem de uma fonte simétrica (para que os dois semiciclos do sinal sejam amplificados com iguais características) obtida com o divisor formado por R4 e R5. Os capacitores em paralelo com estes resistores desacoplam a fonte.

 

MONTAGEM

Na figura 5 temos o diagrama completo de nosso aparelho de efeitos.

 

Figura 5 – Diagrama completo do aparelho
Figura 5 – Diagrama completo do aparelho

 

A placa de circuito impresso é bastante simples e pode seguir o layout da figura 6.

 

Figura 6 – Placa para a montagem
Figura 6 – Placa para a montagem

 

Para o circuito integrado sugerimos a utilização de um soquete DIL de 8 pinos e se a versão for estereofônica existe a possibilidade de termos dois canais de efeitos.

Um duplo operacional 741 como o MC1458 pode ser usado neste caso. Os potenciômetros P1 e P2 são comuns, tanto linear como log, e um deles pode incluir o interruptor geral S1. Os capacitores C1 e C2 podem ser cerâmicos ou de poliéster.

C3 e C4 podem ser eletrolíticos para 12 V de tensão de trabalho ou mais.

Os resistores são de 1/8 ou 1/4 W com tolerância a partir de 5% e para entrada e saída use jaques de acordo com os instrumentos e cabos que você trabalhar.

Em alguns casos, a utilização de caixa metálica será interessante para minimizar a captação de zumbidos.

Neste caso o terra da alimentação deve ser ligado à caixa para servir de blindagem.

 

PROVA E USO

Intercale o aparelho entre o instrumento e o amplificador como mostra a figura 7.

 

Figura 7 - Utilização
Figura 7 - Utilização

 

Ligue o amplificador e o circuito de efeitos. Toque e ao mesmo tempo e ajuste o controle até obter a modificação desejada de timbre. P1 dá ganho a deformação, enquanto que P2 ajusta a excitação do amplificador externo.

Se notar excesso de sensibilidade, altere R2. Este componente pode ter valores na faixa de 1 a 10 M ohms conforme o tipo de instrumento usado.

Para alterações mais profundas no timbre, altere C1 que pode ficar entre 10 e 68 nF tipicamente.

Comprovando o funcionamento é só utilizar o aparelho.

 

Se precisar de componentes originais e com o envio imediato, acesse mouser.com
.

Cl-1 - 741 - amplificador operacional

P1 - 10 k ohms - potenciômetro

P2 - 4,7 k ohms – potenciômetro

S1 - Interruptor simples

B1 - 9 V ou 12 V - bateria ou pilhas

J1 e J2 - jaques de entrada e saída

R1, R4 e R5 -10 k ohms x 1/8 W- resistor (marrom, preto, laranja)

R2 - 10 M ohms x 1/8 W - resistor (marrom, preto, azul)

R3 - 100 k ohms x 1/8 W – resistor (marrom, preto, amarelo)

C1 - 56 nF (563 ou 0,056) - capacitor cerâmico ou de poliéster

C2 - 220 nF (224 ou 0,22) - capacitor cerâmico ou de poliéster

C3 e C4 - 10 uF x 12 V – capacitores eletrolíticos

Diversos: placa de circuito impresso, soquete para integrado, caixa para montagem, suporte para pilhas ou conector de bateria, jaques de entrada e saída, cabos de conexão ao amplificador, botões plásticos para o potenciômetro, fios, solda, etc.

 

 


Localizador de Datasheets


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

Opinião

Chegando fevereiro (OP209)

Gostaríamos de neste mês de fevereiro que chega pode dizer que todos os problemas da pandemia de 2020 foram superados. Ao que parece estamos longe disso, se bem que a aplicação da vacina nos traga um alento, indicando que pode estar perto a volta a uma vida quase normal.

Leia mais...