NOSSAS REDES SOCIAIS -

Eletrônica automotiva - 1 (Revisando Conceitos Básicos de Eletricidade)

Para entender o funcionamento do automóvel moderno não basta o conhecimento da mecânica. É preciso conhe­cer eletricidade básica e a partir dela os fundamentos da eletrônica. São justamente estes fundamentos que dare­mos a partir de agora no nosso curso, iniciando pela revi­são dos conceitos básicos de eletricidade.

Circuito elétrico, corrente, tensão e resistência
Uma corrente elétrica consiste num fluxo de cargas que circula através de um fio condutor. Estas cargas são os elétrons que encontram liberdade de movimento em ma­teriais como os metais, conforme mostra a figura 1. Estes materiais são denominados condutores de corrente elétri­ca.


Num condutor metálico a corrente elétrica consiste num fluxo de elétrons.

 

Para que as cargas se movimentem através de um mate­rial é preciso que uma força externa as empurre. Nos de­paramos então com dois conceitos muito importantes da eletricidade:
- A força externa que empurra as cargas que funciona como a pressão de um cano de água. Esta força é denomi­nada tensão elétrica e é medida em volts (V).

- A própria corrente que consiste no fluxo de cargas, ou seja, na quantidade de elétrons que passam pelo condutor. A corrente é medida em amperes (A).


Assim, para termos uma corrente (fluxo de elétrons) precisamos aplicar num condutor uma tensão que empur­re os elétrons. A tensão é a causa e a corrente é o efeito, conforme mostra a figura 2.


(figura 2)   

No entanto, os condutores não são perfeitos. Os elé­trons que formam uma corrente encontram uma certa difi­culdade para passar através dos fios. Essa dificuldade é denominada resistência e é constante. A resistência de um fio é medida em ohms (.).    Se aplicarmos a um condutor, que apresenta uma certa resistência, uma tensão, a corrente vai ser determinada pela resistência desse condutor. A resistência limita por­tanto a intensidade da corrente num fio. Maior resistên­cia, menor corrente com a mesma tensão.


Circuito elétrico
Os elétrons não podem ser criados. Uma bateria fornece elétrons para uma lâmpada, mas ela precisa estar constan­temente repondo estes elétrons que saem dela. Assim, só é possível obter uma corrente fazendo circular os elétrons no que denominamos circuito, conforme mostra a figura 3.

 


(figura 3)     

Para acender uma lâmpada (que denominamos recep­tor de energia), por exemplo, precisamos de uma fonte de energia (que denominamos gerador). No caso do carro, o gerador é a bateria. A quantidade de energia que podemos transferir para a lâmpada não depende apenas da tensão que aplicamos nela, mas também da corrente.

Essa transferência, conforme mostramos na figura 3, se faz através de um fio que leva a corrente e outro que a traz de volta para que os elétrons possam ser reciclados. Trata-se portanto de um percurso ou circuito fechado, daí o nome "circuito".

Podemos interromper a corrente num circuito colocan­
do um interruptor em qualquer lugar do circuito, confor­me mostra a figura 4.



(figura 4)  
Num automóvel, o retorno ou caminho de volta da cor-rente não precisa ser feito através de um fio. Como o chassi do carro é metálico ele pode ser usado para esta finalidade, sendo por isso denominado ?terra?. O nome vem do fato de que nas instalações de eletricidade domés­tica a terra, que é condutora de eletricidade, é utilizada como retorno. Desta forma, como mostra a figura 5, num carro, o pólo negativo é ligado ao chassi e os fios que alimentam os diversos dispositivos saem do positivo. Em cada dispositivo existe um ?retorno?, que é feito pelo chassi (fio terra).

 


(figura 5)

Potência elétrica
A quantidade de energia fornecida a uma lâmpada, por exemplo, depende tanto da tensão como da corrente. Quando ligamos uma lâmpada a uma bateria, a intensida­de da luz que ela produz depende tanto da quantidade de elétrons que passam pelo filamento como da velocidade com que eles fazem isso, ou seja, da força com que eles são empurrados. Definimos então a potência elétrica co­mo uma grandeza diferente da tensão e corrente. A potên­cia é a quantidade de energia por segundo, e é medida em Watts (W). Para calcular a potência, multiplicamos a corrente pela tensão.


Potência (W) = tensão (V) x corrente (A)

 

Veja agora como tudo isso funciona num carro, por exemplo:
Uma lâmpada de 24 Watts ligada em 12 V ao ser ligada "puxa" uma corrente de 2 A pois 24 W = 2 x 12.   
Para termos os mesmos 24 V numa bateria de 6 V, a corrente precisaria ser 4 A.
Um fio precisa ser tanto mais grosso quanto maior for a intensidade da corrente que ele deve conduzir. Por este motivo é que os fios do motor de partida de um carro têm de ser muito mais grossos do que os fios usados para ali­mentar as lâmpadas. O Consumo do motor de partida exi­ge várias dezenas de amperes ,enquanto que as lâmpadas exigem poucos amperes. Existe portanto vantagem em utilizar tensões maiores nos circuitos, pois os fios podem ser mais grossos. Note que a potência continua ser abso­lutamente a mesma. Uma lâmpada de 24 W para 6 V pro­duz 24 W de luz quando ligada nesta tensão, como uma lâmpada de 24 W produz 24 W de luz quando ligada em 12 V. O que muda é apenas a corrente!


(figura 6)

 

No entanto, como a corrente na instalação de 12 V é menor, o fio usado é mais fino. Outra vantagem de se utilizar tensão maior é que as perdas no fio são menores. Conforme vimos, mesmo os fios apresentam uma certa resistência, dificultando a passagem da corrente, o que faz com que ocorram perdas. Com tensões maiores, estas perdas são menores. Com o aumento de dispositivos elé­tricos e eletrônicos nos carros, mesmo os 12 V estão se tornando problemáticos em termos de consumo e mesmo de custos da fiação. Assim, a nova geração de automóveis que está por vir já prevê a utilização de baterias de 42 V. Os fios de ligação dos diversos dispositivos podem ser 3,5 vezes mais finos com esta tensão!


Efeitos da corrente
Quando a corrente elétrica atravessa determinados mei­os ela produz efeitos que podem ou não ser aproveitados.
O principal efeito é a produção de calor, ou efeito térmi­co, também chamado "Efeito Joule" . Para vencer a resis­tência de um meio, a eletricidade faz um esforço que se converte em calor. Este efeito pode ser aproveitado em elementos de aquecimento, como aquecedores, acendedo­res de cigarro, etc. Se o calor for muito intenso, temos também a produção de luz, como no caso das lâmpadas incandescentes.
Outro efeito importante é o magnético. Quando uma corrente passa através de um condutor, em sua volta apa­rece um campo magnético. Se enrolarmos um fio em for­ma de bobina e fizermos passar uma corrente o campo criado concentra-se e temos um eletro-imã. Podemos a­proveitar este efeito em solenóides, como os usados nas fechaduras elétricas do carro ou em motores como o mo­tor de partida ou o motor do limpador de parabrisas.
Temos também o efeito químico. Quando uma corrente circula através de determinados líquidos ocorrem reações químicas. A carga de uma bateria aproveita este efeito.

Fontes de energia elétrica (geradores)
Para forçar a corrente através de um circuito e com isso fornecer energia a ele  precisamos de dispositivos que estabeleçam entre dois pólos a pressão elétrica necessária a isso. Estes dispositivos são denominados geradores. Como na natureza não é possível criar energia a partir do nada, estes dispositivos convertem alguma forma de ener­gia em energia elétrica. Temos então os seguintes tipos de geradores:

Pilhas e baterias
As pilhas e baterias são geradores químicos de energia elétrica, pois convertem a energia liberada numa reação química em eletricidade. Denominamos baterias a um conjunto de pilhas ou acumuladores.

Acumuladores
Acumuladores também são geradores químicos de ener­gia elétrica, mas o seu funcionamento é reversível.  A reação libera energia elétrica mas isto pode ser invertido pela passagem de uma corrente que o carrega. As chama­das baterias de carro na verdade são conjunto de acumu­ladores que podem ser recarregados pela corrente gerada pelo dínamo ou alternador.

Dínamos e alternadores
Os dínamos e alternadores são geradores que convertem energia mecânica, a força do motor, por exemplo, em energia elétrica. Eles consistem em conjuntos de bobinas que criam campos elétricos e através deles a energia é gerada pelo movimento.

Células solares
As células solares convertem energia luminosa (luz so­lar, por exemplo) em energia elétrica. Consistem em pai­néis de materiais semicondutores como o silício. Seu ren­dimento ainda é muito baixo e elas são caras, o que limita bastante suas aplicações práticas.




Questionário:

 


1. Uma corrente elétrica consiste em:
A) Cargas elétricas em oscilação
B) Cargas elétricas em movimento
C) Tensão aplicada num fio
D) Movimento de átomos de um metal

2. Tensão e corrente podem ser relacionadas como (na ordem):
A) efeito e causa
B) causa e efeito
C) quantidades de energia
D) geração de calor


3. Para que uma corrente circule é preciso:
A) haver tensão aplicada
B) haver um circuito fechado
C) haver um gerador e um receptor
D) haver resistência

4. O produto tensão x corrente determina:
A) A resistência de um circuito
B) Quantidade de energia disponível
C) A potência elétrica
D) A quantidade de calor gerada

BUSCAR DATASHEET

 


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

 

Opinião

Mundo diferente (OP203)

Em plena pandemia já estamos nos preparando para o mundo diferente que teremos a partir de agora. A disruptura que está ocorrendo está mudando nossos hábitos de uma forma que sabemos ser irreversível. Os hábitos de compras, os eventos, festas, o ensino, tudo mais deve mudar com o uso predominante da tecnologia.

Leia mais...

Vaso
Se o vaso não está limpo, tudo o que nele derramares se azeda. (Sincerum est nisi vas, quidcumque infundis acescit.)
Horácio (65 8 a.C.) - Epístolas - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)