Com a maior facilidade em se encontrar pilhas recarregáveis de níquel-cádmio (NiCad), a elaboração de um interessante sistema permanente de luz de emergência fica facilitado. Descrevemos neste artigo um circuito deste tipo em que as pilhas permanecem em constante recarga ficando pois sempre prontas para alimentar uma pequena lâmpada em caso de falta de energia.

O circuito que descrevemos aciona uma pequena lâmpada de lanterna no caso de corte de energia, iluminando assim locais de passagem que não devem ficar escuros, saídas de emergência ou mesmo uma dependência de sua casa.

Com a utilização de pilhas recarregáveis de Nicádmio, o aparelho se mantém em constante ciclo de carga lenta, deixando-as sempre prontas para fornecer energia no caso de um corte da rede local.

A duração das pilhas no acendimento da pequena lâmpada depende não só do consumo como da capacidade das pilhas. Para pilhas pequenas, (AA) com 500 mA, uma lâmpada de 200 mA ficará acesa por 2 horas e meia a partir de uma carga completa.

O circuito é bastante simples e pode ser instalado numa pequena caixa plástica.

Para os que não desejarem usar pilhas de NiCad existe a possibilidade da substituição por um acumulador de chumbo-ácido de 6 V.

 

CARACTERISTICAS

Tensão de entrada: 110/220 V c.a.

Tensão das pilhas: 4,8 V (6 V)

Tipos indicados de pilhas: pequenas de 500 mA

Autonomia: 2:30 horas

Lâmpada: 6 V x 220 mA

 

O transformador T1 abaixa a tensão da rede para 6 V após o que temos a sua retificação e filtragem obtendo-se aproximadamente 8,5 V sobre R1.

Esta tensão aciona o relé que se mantém com os contatos fechados, conectando a bateria (4 pilhas pequenas) ao resistor R1.

O resistor R1 limita a corrente de carga em tomo de 6 mA, o que possibilita a manutenção de baterias carregadas, compensando a descarga lenta com o tempo.

Para uma carga normal, estas pilhas normalmente exigem 50 mA, assim, se as pilhas usadas estiverem totalmente descarregadas, devemos antes carregá-las em outro aparelho para depois usá-las neste, que somente se manterá neste estado.

Quando houver um corte de energia na rede, o relé comuta conectando a bateria à lâmpada. Se a energia voltar, a lâmpada é desligada, voltando as pilhas a serem recarregadas lentamente.

Observe que o circuito não tem sensores de luz ambiente, operando com base da energia da rede.

Assim, se houver um corte de energia durante o dia (quando a iluminação não é necessária) o circuito não tem condições de perceber isso e a iluminação é acionada.

Desta forma, para esta versão devemos manter o aparelho desligado durante o dia.

O leitor imaginoso, entretanto, pode aperfeiçoar o circuito com um sensor de luz ambiente que desativará o sistema durante o dia de modo automático.

Na figura 1 temos o diagrama completo de nosso aparelho.

 

Figura 1- Diagrama do aparelho
Figura 1- Diagrama do aparelho

 

Na figura 2 temos a montagem dos componentes menores numa placa de circuito impresso.

O relé usado é de 6 V de baixo custo, mas a equivalentes para a mesma tensão podem ser usados. transformador deve ser de boa qualidade pois deve ficar permanentemente ligado.

Lembramos que o consumo deste transformador é muito baixo para significar aumento na sua conta de energia.

D1 e D2 admitem equivalentes e o capacitor C1 deve ter uma tensão de trabalho de 12 ou 16 V.

O resistor é de 1/2 W, e as pilhas de NíCad indicadas são do tipo AA (500 mAh).

A lâmpada é de 200 mA para lanterna de 4 pilhas pequenas ou médias. No entanto, lâmpadas de 50 a 250 mA podem ser usadas, observando-se então as variações que temos de autonomia do sistema em função destas novas características.

Obs. O artigo é de 1992. Numa versão modernizada podemos usar LEDs brancos em lugar das lâmpadas. Ligue-os com resistores de 47 Ω a 220 Ω em série.

 

O fusível de entrada é importante para proteger o sistema que deve ficar permanentemente ligado e que está sujeito a problemas quando não estivermos por perto.

Ligue a alimentação do aparelho e coloque as pilhas (recarregadas no suporte. A lâmpada deve permanecer apagada.

Desligando, a alimentação devemos ouvir o estalido do relé e a lâmpada deve acender.

Se sua localidade estiver sujeita a muitos cortes de energia, reduza o valor de R1 para 150 ou 180 Ω de modo a ter recargas mais rápidas.

 

D1 -1N4002

D2 -1N4148

B1 - 4 pilhas de NiCad AA ou médias (D)

X1 - 6 V x 200 mA - lâmpadas de lanterna de 4 pilhas

K1 – Relé de 6 V sensível

T1 - transformador com primário de acordo com a rede local e secundário de 6 V com 100 mA ou mais

C1 - 1000 µF x 12 V - eletrolítico

R1 -330 Ω x1/2 W

F1 - 500 mA - fusível

Diversos: placa de circuito Impresso, caixa para montagem, cabo de alimentação, refletor para a lâmpada, soquete para a lâmpada, suporte de pilhas, tios, solda, etc.

 


Opinião

Eventos e muito mais (OP212)

Nosso grande destaque deste mês é o nossa Jornada do Desenvolvimento, que ocorrerá em três etapas sendo a primeira a que foi realizada entre 9 e 13 de agosto. Ela foi uma preparação para as demais que devem ocorrer em setembro e outubro, com oficinas de desenvolvimento com o Edukit SigFox e a Franzininho, numa jornada com os próprios criadores.

Leia mais...

Localizador de Datasheets e Componentes


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

Podcast INCB Tecnologia