Texto extraído do site INCB - www.newtoncbraga.com.br

As Ferramentas do Técnico (SER432)

Sem um jogo de ferramentas básicas o pretendente a técnico não pode querer realizar seu trabalho de modo eficiente. De fato, existem certas operações que só podem ser feitas de modo eficiente com a utilização de ferramentas especiais. Neste artigo daremos uma relação das ferramentas que o técnico deve possuir em sua bancada de trabalho, se realmente quiser realizar seu serviço com eficiência. Classificaremos essas ferramentas em três grupos:

Este artigo fez parte de livro que publicamos em 1985 tratando de princípios básicos de reparação d aparelhos portáteis e de pequeno porte da época como rádios, gravadores, etc. Muitos dos conceitos apresentados ainda são válidos com alguns aparelhos modernos. O artigo é interessante para quem deseja prender e reparar aparelhos antigos (e mesmo alguns mais modernos). Esses conceitos são abordados em outros artigos deste site e em livros do autor.

(a) obrigatória

(b) importante

(c) opcional

 

Inicialmente, o leitor deve procurar adquirir somente as obrigatórias, passando depois para as importantes e finalmente, a medida que puder comprar, também as opcionais.

 

Ferro de soldar (a)

Esta, sem dúvida, é uma ferramenta que nenhum técnico pode deixar de ter, pois sem sua ajuda será impossível fazer a troca de qualquer componente de um aparelho eletrônico.

O ferro recomendado para início de atividades é o de pequena potência (até 30 W) com ponta reta fina, conforme a figura 1.

 

 


 

 

Este ferro deve ser sempre bem aquecido e ter sua ponta estanhada (molhada) com solda de boa qualidade, que o técnico deve ter sempre uma boa quantidade na sua oficina.

Posteriormente, o técnico pode ter à sua disposição um ou dois ferros de maior potência para a realização de “trabalhos pesados”, como por exemplo um de 50 watts e até mesmo um de 100 watts.

 

Chaves de fendas (a)

As chaves de fendas também são ferramentas indispensáveis na bancada da reparação. O técnico deve ter um jogo com pelo menos 4 chaves de tamanhos diferentes, de acordo com os parafusos que devem ser colocados ou removidos (fig.2).

 


 

 

 

Chave Philips (a)

O técnico deve possuir pelo menos duas chaves Philips de boa qualidade para remoção deste tipo de parafuso que aparece com frequência em rádios e gravadores, conforme mostra a figura 3.

 


 

 

O uso de outro tipo de chave para tentar remover este tipo de parafuso pode estragar os mesmos, com grandes problemas para o técnico.

 

Alicate de corte (a)

O alicate de corte lateral é outra ferramenta indispensável na bancada do reparador. Na figura 4 temos um tipo de baixo custo e de grande utilidade que serve para cortar terminais de componentes, fios, etc.

 


 

 

Com o tempo, o técnico pode pensar em ter mais de um tipo de alicate de corte em sua oficina.

 

Alicate de ponta (a)

O alicate de ponta reta ou “bico de pato" tem grande utilidade na retirada de componentes e também para segurar peças pequenas em posição de soldagem, evitando assim a queima dos dedos e a propagação de calor (fig. 5).

 


 

 

Uma variante deste tipo de alicate, que com o tempo pode fazer parte da bancada, é o alicate de ponta curva.

 

Lâmina de descascar fios (a)

A lâmina de descascar fios ou estilete pode ser obtida de diversas maneiras.

Existem as pequenas facas ou canivetes que podem realizar bem esta função e que não podem deixar de estar presentes na bancada do reparador (fig. 6).

 


 

 

Para os que não puderem dispor inicialmente de muito capital para a aquisição desta ferramenta, existe a opção de uma lâmina de barbear adaptada com a colocação de um pedaço de fita isolante no ponto em que deve ser segura, para dar maior firmeza.

 

Lima (b)

Esta ferramenta é de grande utilidade, mas não indispensável. Uma lima reta pequena será de utilidade para limpar as pontas dos ferros de soldar e também para tirar as capas de óxido (ferrugem) de terminais de componentes.

 

Morsa (b)

Uma morsa pequena, ou torno de bancada, conforme mostra a figura 7, será de utilidade para a realização de pequenos trabalhos mecânicos.

 


 

 

O corte de placas, furação, corte de eixos de potenciômetros, ficam facilitadas quando as peças são fixadas nesta morsa.

 

Suporte de placas de circuito impresso (b)

O reparo de defeitos em placas que levam à necessidade de troca de peças fica muito facilitado com esta ferramenta (fig. 8)

 


 

 

As placas de circuito impresso serão fixadas e presas, possibilitando assim a troca de qualquer componente, facilmente.

 

Furadeira manual de placas (b)

A furadeira manual de placas será importante para o técnico que realizar montagens, adaptando circuitos ou mesmo construindo aparelhos para vender. O tipo manual é de baixo custo e de grande utilidade na bancada do montador e do reparador de aparelhos (fig. 9).

 


 

 

 

Furadeira elétrica (c)

Uma furadeira elétrica de porte já é um luxo para um técnico reparador principiante, no entanto não se pode negar a sua utilidade.

Na furação de caixas, adaptação de aparelhos, ela ajudará a realizar com facilidade qualquer tipo de furo. Os acessórios como alargadores, polidores, etc., também são úteis.

 

Pinça (b)

Uma pinça pequena será útil na retirada de componentes e pedaços de componentes de dentro dos aparelhos que forem reparados. Sua utilidade é grande, mas existem alternativas. A figura 10 mostra alguns tipos de pinças, inclusive um modelo próprio para trabalhos em Eletrônica.

 


 

 

 

Chave de calibração (a)

As chaves de calibração ou de ajuste de bobinas para rádios são de vital importância para o técnico reparador. Estas chaves podem ser de madeira ou plástico duro, tendo o aspecto mostrado na figura 11.

 


 

 

As chaves de calibração não podem ser de metal, pois a presença de um elemento metálico altera a indutância da bobina ou transformador, ou mesmo a capacitância de trimmer, impedindo o ajuste perfeito.

 

Jogo de Soquetes (c)

É uma ferramenta importantíssima quando se trata de apertar e soltar porcas e parafusos. O soquete, ou chave de soquete, é muito útil na rotina de quem trabalha com parafusos e porcas de difícil acesso. Pode ser usado por mecânicos profissionais, tanto quanto mecânicos amadores.
O soquete possui uma vasta gama de modelos, tamanhos e especialidades finais. Eles possuem normas e são confeccionados em um aço liga especial, que combinado com cromo vanadium em sua composição o torna mais resistente e durável na aplicação.
O diferencial do jogo de soquetes é o fato dele alcançar locais de difícil acesso. Ele contém diversas ferramentas que auxiliam esse processo, sendo elas extensões, juntas, catraca e diferentes tipos e tamanhos de soquetes.
Nota-se que em alguns lugares o kit de soquetes recebe a nomenclatura diferente, mais conhecida na região, como chave de cachimbo ou jogo de pito. Mesmo com os diferentes nomes ele continua sendo utilizado da mesma maneira no mundo todo.


Normalmente eles são comercializados em kits jogo de soquete com a chave de catraca, que é quem mais auxilia o soquete na hora do trabalho. Variam os materiais que são utilizados para acoplagem em ferramentas pneumáticas, que nessas aplicações dispõe do soquete na cor preta, que se dá pela sua composição, um aço de maior resistência que permite o alto impacto que se proporciona no aperto da parafusadeira pneumática. São nomeados soquetes de impacto.
Para adquirir seu jogo de soquete você precisa saber que existem diferentes tipos de encaixes. Seus encaixes são quadrados e variam, esse quadrado serve para encaixar o acessório que fará força no soquete, junto à um parafuso ou porca. Eles apresentam as seguintes dimensões:

  • 6,35mm (1/4”), os menores encaixes vendidos comercialmente;
  • 9,5mm (3/8”), também são bem pequenos;
  • 12,7 (1/2”), esses são mais utilizados como ferramentas para oficina, mais vistos em mecânicas de auto;
  • 19,1mm (3/4”), também bastante frequentes em mecânicas, principalmente nas que trabalham com veículos maiores;
  • 25,4 (1’), a partir desses encaixes são utilizados em oficinas de ônibus e caminhões, e na indústria geral onde normalmente se remove e aplica grandes parafusos e porcas.


As pontas de soquete, são as partes que entram em contato com a porca/parafuso. Possui uma grande variedade, pois existem vários tipos de parafusos e porcas, que variam seus encaixes e tamanhos. Veja os mais comuns:
Soquete Sextavado: possui 6 lados e é em formato fêmea (a porca/parafuso) vai dentro dele;
Soquete Estriado: se aplica da mesma forma que os sextavados, porém possuem várias extremidades ao invés de apenas seis como no sextavado, seu encaixe é mais fácil;
Soquete Torx ou Trafix: fêmea ou macho (para dentro ou fora), sua cabeça possui o desenho de uma estrela de seis pontas;
Soquete ponta Fenda e Phillips: solta e aperta parafusos com essa cabeça;
Soquete ponta Allen: sua ponta é macho e entra dentro da cabeça do parafuso, esse soquete substitui muito bem as chaves Allen (hexagonais).

 

Outras ferramentas (b) (c)

Existem muitas outras ferramentas de grande utilidade na bancada, mas que não são obrigatórias e que, portanto, com o tempo, o leitor poderá adquiri-las. Na figura 12 mostramos algumas delas.

 


 

 

Temos então a tesoura comum, a chave especial para descascar fios, o punção, a lente de aumento para ver a marcação pequena de componentes, a escova de aço para limpeza de peças, a escova macia para a limpeza interna de aparelhos, etc.