Texto extraído do site INCB - www.newtoncbraga.com.br

Cuidados com os Prefixos (ING034)

O uso de prefixos para unidades eletrônicas e mesmo físicas é igual em toda parte do mundo. No entanto, quando analisamos documentação técnica em inglês, encontramos algumas confusões para os quais o leitor deve estar atento. Uma delas refere-se tanto ao uso do k  como do próprio termo quilo ou kilo. Nesse artigo focalizamos o assunto tomando como base a experiência que tivemos na revisão do nosso último livro nos Estados Unidos.

 

Um dos grandes problemas que muitos editores de livros ou mesmo de documentação técnica enfrentam é que os revisores não são técnicos, eventualmente fazendo grandes confusões com termos que, para nós, são comuns.

Recentemente, revisando a edição do nosso livro Bionics for the Evil Genius (Tab Publications – McGraw Hill) que deve sair nos Estados Unidos no final de dezembro desse ano (*), tivemos um exemplo bem claro de como o não conhecimento dos prefixos pode levar a confusões.

(*) O livro foi publicado em 2006, dada da publicação deste artigo.
De fato, a editora (TAB) entregou a produção gráfica a uma empresa especializada que faz a revisão e a montagem para publicação.

É muito comum a adoção desse tipo de serviço no mundo inteiro e a própria Editora Saber faz isso com as suas publicações.

Pois bem, o revisor (não técnico) resolveu alterar diversos termos técnicos, principalmente os prefixos, alterando muito o significado de muitas frases. Não fosse a atenção do autor que dá a aprovação final das alterações, coisas erradas poderiam ter saído.

Um dos pontos que notamos foi a utilização in correta dos prefixos métricos bem conhecidos dos leitores dados pela seguinte tabela:

Fator Prefixo Símbolo
1018 exa E
1015 peta P
1012 tera T
109 giga G
106 mega M
103 kilo k
102 hecto h
10 deca da
10-1 deci d
10-2 centi c
10-3 milli m
10-6 micro ?
10-9 nano n
10-12 pico p
10-15 femto f
10-18 atto a

 

 Um primeiro ponto foi a troca de m (milli) por M (mega), alterando um texto em que tínhamos um amplificador de 500 mW para 500 MW. Outro foi a troca dos k (kilo) minúsculo por K (maiúsculo) em todos os resistores de mais de 1 000 ohms!

 Veja que em português escrevemos “quilo” e não “kilo”. Essa também é uma confusão que encontramos em muitos documentos traduzidos. Outras, muito visíveis nos jornais que trazem anúncios de informática é o famoso mhz ou Mhz para indicar Megahertz (MHz)!

 Para ilustrar como tudo isso pode ocorrer com facilidade, tomemos um texto do próprio livro Bionics for the Evil Genius – Newton C. Braga – ver em livros internacionais.

 

“R2 controls the speed of C1’s discharge and thus the duration of the flash. The reader is free to find the best value for this component. Values that range from 2.2 to 10 K? (k?) must be tested if the flashes are not powerful enough for the application”

 

Num outro trecho temos:

“The sound is loud depending on the power supply voltage and loudspeaker. Power that ranges from 200 megawatts (milliwatts)  to 1 watt will be produced from the supply. As in the previous versions, do not power the circuit from transformerless power supplies”.

 

Vocabulário:

speed – velocidade

discharge – descarga

best – melhor

enough - suficiente

loudspeaker – alto-falante

ranges – varia, varre a faixa

megawatts (!) – milhões de watts

previous – anteriores, prévias

transformerless – sem transformador

 

Observe o uso indevido de K onde deveria ser k, e de mega onde deveria ser milli.

 

A traduções dos textos ficam então:

 

“R2 controla a velocidade de descarga de C1 e então a duração do flash. O leitor tem liberdade para encontrar o melhor valor para este componente. Valores que estejam na faixa de 2,2 a 10 k? devem ser testados, se os flashes não forem potentes o suficiente para a aplicação”

 

“O som é alto dependendo da tensão da fonte de alimentação do alto-falante. Potências que vão de 200 mW a 1 W podem ser obtidas a partir dessa fonte. Como nas versões anteriores, não alimente o circuito com fontes sem transformador”.

 

Ao traduzir textos técnicos tanto do inglês para o português como do português para o inglês tome cuidado com o uso dos prefixos.

Lembramos que a exatidão de um texto técnico atesta a confiabilidade de um produto ou de uma informação, e isso é muito importante tanto para quem faz um projeto como para quem usa um componente.

 

Acrônimos:

GAL – Gate Array Logic

GB  - Giga Byte

GFCI – Ground Fault Circuit Interrupter – Circuito Interruptor de Falta de Terra

GLU – General Logic Unit – Unidade Lógica Geral

GND – Ground (Terra)

GPIB _ General Purpose Interface Bus – Barramento de Interface de Uso Geral

GSM – Global System for Mobile (communications)

GTO – Gate Turn Off (tiristor) – Desliga pela Comporta

GUI – Graphical User Interface

HAP – Hazardous Air Pollutant – Poluente de Ar Venenoso

HCMOS – High density Complementari Metal-Oxide Semiconductor

HCT – High Speed CMOS TTL Compatible

HDTV - High definition TV – TV de alta definição

HFET – Heterojunction FET -Transistor de Efeito de Campo Heterojunção)

HIC – Hybrid Integrated Circuit – Circuito Integrado Híbrido

HIGFET – Heterojunction Insulated FET – Transistor de Efeito de Campo Heterojunção Isolado

HPC – High performance Controller – Controlador de Alta performance

HPL – High performance Logic – Lógica de Alta Performance

HY – Híbrido

I2C – Intra Integrated Circuit

I2L – Integrated Injector Logic

IC – Integrated Circuit – Circuito Integrado

IGFET – Insulated-Gate FET – Transistor de Efeito de Campo de Comprota Isolada

IGBT – Insulated Gate Bipolar Transistor – Transistor Bipolar de Comporta isolada

IOT – Inductive Output Amplifier – Amplificador de Saída Indutiva

IPM – Inches Per Minute – Polegadas por Minuto

IPT – Ideal Process Time  - Tempor de Processo Ideal

IR – Infrared - Infravermelho

ISDN- Integrated Services Digital Network – Rede Digital de Serviços Integrados