Texto extraído do site INCB - www.newtoncbraga.com.br

Drone farejador de mau cheiro (NOT457)

Evidentemente, nosso sensível nariz poderia ser usado para detectar locais em que se despeja esgoto ou outros materiais malcheirosos. No entanto, essa tarefa desagradável pode ser deixada para dispositivos eletrônicos.

É o que se anunciou na última semana de novembro de 2001. A criação de um drone com um sensor de mau cheiro, para detectar escapes de substâncias malcheirosas em usinas, fábricas ou outros locais.

O drone anunciado por pesquisadores do Instituto de Bioengenharia da Catalunha – Espanha integra um RHINOS, acrônimo para Real-Time High-Speed e-NOSE ou Nariz Eletrônico de Alta Velocidade em Tempo Real.

O nariz eletrônico (e-Nose) pesa 1,3 kg e utiliza uma matriz de sensores de gases com recursos de inteligência artificial que pode detectar gases malchejrosos como dióxido de enxofre, amônia e sulfetos.

Um recurso interessante do drone é que os sensores podem ser baixados através de um cabo de 10 metros, permitindo que eles colham as amostras perto do chão.

 


 

 

Link para a notícia original: https://www.cell.com/iscience/fulltext/S2589-0042(21)01342-0?utm_source=EA

 

 

VTR076