Scanner Escaneia Livro Inteiro sem Abri-lo (NT022)

Escrito por Newton C Braga

Cientista do MIT (Massachussets Institute of Technology) desenvolve um scanner que pode escanear um livro inteiro sem precisar abri-lo. Qual é o segredo dessa nova tecnologia que pode estar disponível em pouco tempo?

Saber que a resolução de um scanner depende do comprimento da onda usada. Isso é válido, por exemplo, no caso dos scanners ultrassônicos usados em aplicações médicas em que o tamanho do menor corpo que pode ser detectado depende do comprimento da onda e, portanto, da frequência usada.

Com uma frequência de 3,4 MHz, por exemplo, considerando a velocidade de propagação do som de 340 m/s (aproximadamente), temos um comprimento de onda de 0,0001 m ou 0,1 mm.

Isso é válido também para as radiofrequências, e como no caso dos ultrassons, a reflexão dos sinais que podem ser detectados, depende da natureza do objeto.

O que o pesquisador Barmak Heshmat descobriu, é que a tinta usada na impressão dos livros tem um padrão diferente de reflexão de radiofrequências do papel usado e mesmo da mudança entre os meios que separam as páginas.

 

Barmak Heshmat
Barmak Heshmat

 

Assim, usando um sinal de RF na faixa de terahertz (1012 Hz), o que corresponde a um comprimento de onda de fração de mm é possível não só detectar a impressão em níveis selecionáveis que correspondem à profundidade das páginas, como fazer sua varredura “lendo” o que está impresso.

Assim, basta posicionar o scanner sobre o livro, sem a necessidade de abri-lo que, conforme o equipamento desenvolvido, emitindo pulsos de terahertz é possível fazer a varredura de suas páginas não só no sentido bidimensional, como também na profundidade, separando-as, com uma leitura tridimensional.

Não sabemos quando isso vai estar disponível, mas podemos imaginar um dia em que basta colocar o scanner sobre o livro, que além de escaneá-lo, pode passar por um software de leitura e se ele ler esse livro em voz alta para você.

O interesse pela máquina já está sendo manifestado por bibliotecas como a do museu metropolitano de Nova York que poderia rapidamente digitalizar todo o seu acervo

Veja vídeo em: https://www.youtube.com/watch?v=Ye-B0c1zi1I