Transmissor transistorizado potente de FM (TEL168)

Escrito por Newton C Braga

Com uma alimentação de 9 V este transmissor de duas etapas de RF de FM pode facilmente superar os 300 metros em campo aberto. Com a utilização de bobina apropriada podemos operá-lo na faixa de 2 m de radioamadores, utilizando assim, na sua recepção receptores de comunicações do tipo profissional com maior sensibilidade.

A alimentação pode ser feita tanto com 6 como com 9 V e como todos os componentes são pequenos, uma montagem compacta permite sua realização em pequenos volumes.

Usamos microfones de eletreto na modulação que, pela sua sensibilidade, permite a utilização do aparelho na escuta de conversas ou como microfone volante, em uma festa, por exemplo.

Uma característica importante deste circuito é a separação do estágio de saída do estágio oscilador. Isso permite que o aparelho tenha grande estabilidade. Podemos então segurar a própria antena durante a transmissão, sem que isso cause desvios da frequência com a perda da sintonia.

 

O circuito

A etapa osciladora e moduladora leva por base um transistor BF494, ou BF495, gerando um sinal de pequena intensidade cuja frequência é determinada por L1/CV.

Para a faixa de FM o trimmer CV é comum de base plástica ou porcelana e L1 consta de 3 ou 4 voltas de fio 20 ou 22 em forma sem núcleo de 1 cm de diâmetro.

Para a faixa de VHF entre 120 e 150 MHz a bobina terá de 20 a 3 espiras em fôrma de 1 cm com o mesmo fio.

O sinal gerado é retirado de uma tomada central da bobina para a etapa seguinte, de modo a minimizar os problemas de casamento de impedância que levam o circuito a instabilidade.

A modulação vem de um microfone de eletreto diretamente ligado na base do transistor. Como o microfone de eletreto já possui um transistor de efeito de campo interno. seu ganho é suficiente para uma ótima modulação sem a necessidade de qualquer etapa adicional de amplificação.

O sinal desta etapa é aplicado a uma etapa amplificadora de alta frequência com o transistor 2N2218. Este transistor opera como etapa aperiódica onde a >carga vem de um choque de RF cujo valor não é crítico, podendo ficar entre 10 e 100 pF.

Uma bobina "caseira" formada por 40 ou 50 voltas de fio esmaltado fio 30 ou 32 num resistor de 100 k resulta num choque de funcionamento normal para esta função.

Além de um bom isolamento, esta etapa provê uma amplificação de potência para o sinal e, com isso, um maior alcance para o transmissor. O sinal é aplicado a uma antena telescópica de 10 a 40 cm de comprimento.

Se o leitor tiver condições de ajustes de etapas sintonizadas, com grid-dip ou outro instrumento (medidor de campo) pode substituir XRF por um circuito sintonizado e ajustá-lo para o máximo rendimento.

Nestas condições o alcance do transmissor poderá ser aumentado, passando dos 500 metros em campo aberto.

 

Montagem

Na figura abaixo temos o diagrama completo deste transmissor.

 

Diagrama do transmissor
Diagrama do transmissor

 

A placa de circuito impresso sugerida é mostrada na próxima figura.

 

Placa para a montagem
Placa para a montagem

 

 

Os resistores podem ser de 1/8 ou 1l4 W e os capacitores são todos cerâmicos tipo disco.

O microfone de eletreto deve ser do tipo de dois fios de ligação e, preferivelmente, as bobinas L1 e XRF devem ficar em ângulo reto ou afastadas uma da outra.

Para as pilhas ou bateria deve ser usado suporte ou conector apropriado.

Eventualmente, o resistor R7 pode ser alterado para maior rendimento ou se houver tendência do transistor se aquecer. Não o reduza, entretanto, a menos de 5,6 Ω.

 

Ajuste e utilização

Para ajustar basta ligar a unidade a uns 3 ou 4 metros de rádio de FM sintonizado em frequência livre e ajustar o trimmer CV até que o sinal mais forte seja captado.

Pode haver a ocorrência de sinais mais fracos que logo somem quando nos afastamos um pouco mais do transmissor.

Se não for possível captar o sinal mais forte, tente alterar o número de voltas da bobina L1, ou então, mudar a frequência de recepção do rádio.

A antena deve ser um fio rígido de 10 a 40 cm para.melhor desempenho. Sugerimos uma antena telescópica.

Ao operar o aparelho, mantenha sempre a antena em posição vertical e evite movimentações bruscas.

Se notar o aquecimento do transistor 2N2218 aumente o valor de R7.

Para modificar o desempenho, caso note rendimento abaixo do esperado, experimente mudar de posição a ligação da tomada em L1.

O rendimento na modulação também pode ser alterado pela mudança de R1. Este componente poderá ter valores na faixa de 2k2 a 15 k. Faça experiências.

 

Q1 - BF494 ou BF495 - transistor de RF

Q2 - 2N2218 - transistor NPN de comutação

L1, CV - ver texto

XRF - 100 µH - ver texto

S1 - interruptor simples

B1 - 6 a 9 V - pilhas ou bateria

MIC - microfone de eletreto de dois terminais-

R1 -1O k - resistor (marrom, preto, laranja)

R2 -15 k - resistor (marrom, verde, laranja)

R3 -10 k - resistor (marrom, preto, laranja)

R4 -100 Ω - resistor (marrom, preto, marrom)

R5 - 47 k - resistor (amarelo, violeta, laranja)

R6 - 22 k - resistor (vermelho, vermelho, laranja)

R7 - 10 a 15 Ω - resistor (marrom, preto, preto)

C1. C5 - 100 nF - capacitor cerâmico

C2 - 4n7 - capacitor cerâmico

C3 - 5p6 - capacitor cerâmico

C4 - 100 pF - capacitor cerâmico

Diversos: caixa para montagem, placa de circuito impresso, suporte para pilhas ou conector, antena, fios, solda etc.