O Site do Hardware Livre - OSHW

Instrumentos Básicos para Reparação (SER434)

Este artigo aborda de maneira básica os instrumentos que o leitor deve ter na sua bancada para encontrar defeitos em pequenos aparelhos eletrônicos.

Este artigo fez parte de livro que publicamos em 1985 tratando de princípios básicos de reparação d aparelhos portáteis e de pequeno porte da época como rádios, gravadores, etc. Muitos dos conceitos apresentados ainda são válidos com alguns aparelhos modernos. O artigo é interessante para quem deseja prender e reparar aparelhos antigos (e mesmo alguns mais modernos).Esses conceitos são abordados em outros artigos deste site e em livros do autor.

 

Injetor de sinais

O injetor de sinais nada mais é do que um oscilador que produz um sinal que pode ser aplicado num aparelho em prova para simular seu funcionamento. Num rádio ele simula a estação, enquanto num amplificador ele simula o microfone ou o toca- discos. Num toca-fitas ele simula a presença de uma fita que está tocando.

A vantagem maior do injetor está no fato de que a simulação de funcionamento pode ser feita em qualquer etapa do aparelho, ou seja, podemos isolar as diversas etapas de um aparelho e analisar uma a uma, localizando assim facilmente os defeitos.

Na figura 1 damos o circuito de um injetor de sinais típico que o leitor poderá montar com facilidade para ter em sua oficina.

 


 

 

É claro que existem os injetores comerciais que podem ser comprados por preço acessível nas casas especializadas, e mesmo pelo correio através da Internet.

 

Multímetro

O multímetro, multiteste ou ainda VOM (Volt-Ohm-Miliamperimetro) é sem dúvida o mais importante instrumento de bancada para todo técnico reparador. Com este instrumento podemos medir tensões, resistências e correntes e assim verificar cada ponto de um circuito ou testar cada componente com facilidade, Todo técnico deve procurar adquirir este instrumento em primeiro lugar, dada a sua utilidade.

Na figura 2 temos o aspecto de um multímetro comum. Recomendamos que o tipo adquirido pelo técnico seja de pelo menos 5 000 ohms DC de sensibilidade, para facilitar seu trabalho. Os de menor sensibilidade podem.dificultar a localização de certos defeitos.

 


 

 

Apesar de existirem hoje os multímetros digitais, para reparação simples e mesmo em certos tipos de efeitos, o uso do analógico ainda é melhor.

O problema maior para o técnico que adquire um multímetro é saber usá-lo. Como vimos, trata- se de um instrumento que mede três grandezas diferentes: resistências, correntes e tensões.

Os Segredos no Uso do Multímetro é um dos livros de Newton C. Braga que pode ajudar muito quem deseja aprender a usar este instrumento. Também recomendamos os quatro volumes de “Como Testar Componentes” do mesmo autor.

Para usá-lo corretamente, a primeira coisa que o técnico precisa saber diferenciar as três grandezas, para não fazer confusões que inclusive podem levar à ruína o seu caro instrumento. Vejamos então como realizar cada medida. (Nos instrumentos existem folhetos que indicam que terminais ou posições de chave usar para cada medida):

 

Medida de resistência - Esta é a mais simples, pois normalmente é usada para o teste de componentes separadamente.

Em primeiro lugar devemos colocar o instrumento na posição para esta medida (chave ou terminais) escolhendo uma escala que esteja de acordo com a medida esperada. Por exemplo, se esperamos ler uma resistência baixa para um componente, colocamos a chave na posição xl , enquanto que se esperamos ler uma resistência alta, colocamos a chave na posição x 100 ou x 1 k.

Depois, encostamos uma ponta de prova na outra e ajustamos o zero da escala, atuando sobre o botão Zero Adj. Este controle compensa o desgaste natural da pilha que existe no interior do aparelho, evitando assim que a medida saia errada.

Finalmente, realizamos a medida desejada, encostando as pontas de prova do- instrumento nos terminais do componente ou circuito, do qual se quer saber :a. resistência (fig. 3).

 


 

 

Se o componente estiver sozinho, o valor lido corresponde mesmo à sua resistência, mas se o componente estiver no circuito devemos levar em conta:

- que toda alimentação do circuito deve estar desligada, pois a presença de tensão pode estragar o instrumento; sô meça resistência nos aparelhos desligados;

- que a resistência lida não corresponde somente à do componente verificado, ,mas sim do circuito na totalidade; os componentes adjacentes influem nesta leitura.

 

Medida de tensão - Para medir tensões, em primeiro lugar devemos optar pela escala DC (tensões continuas) ou AC (tensões alternantes).

Nos aparelhos transistorizados as tensões presentes em sua maioria são continuas, a não ser no primário e secundário do transformador de alimentação, se existir este componente.

Escolhemos a escala de acordo com a tensão que esperamos ler. Por exemplo, se esperamos ler 6 V de uma bateria, escolhemos uma escala que tenha um valor um pouco maior que este, 10 V por exemplo, ou 15 V.

Encostamos as pontas de prova nos extremos do componente ou circuito do qual queremos saber a tensão, obedecendo a polaridade: vermelho no potencial mais alto ou positivo e preto no mais baixo ou «negativo. Depois é só ler o valor da tensão diretamente na escala (fig. 4).

 


 

 

Se o ponteiro tender a ultrapassar o final da escala, devemos escolher uma de maior valor.

 

Medida de corrente - Para a medida de corrente o instrumento deve ser intercalado ao circuito. Para esta finalidade interrompemos o circuito e fazemos a ligação do instrumento obedecendo a sua polaridade, conforme mostra a figura 5.

 


 

 

Se não tivermos ideia do valor da corrente a ser medida, devemos começar pela escala de maior valor (500 mA, por exemplo) e ir reduzindo até obtermos uma leitura satisfatória.

Observamos que a medida é feita com correntes contínuas e que a intensidade da corrente nunca é feita diretamente em fonte de energia como, por exemplo pilhas, baterias, fontes, tomadas, pois sem carga isso causaria a queima do instrumento. Nunca tente medir a “corrente” da tomada, pois isso não existe e causará a queima do seu multímetro!

 

Opinião

Chegamos a 2018 (OP175)

Muitas coisas são prometidas para este ano. Temos a esperança de que ocorram mudanças onde elas devem ocorrer e esperamos que o desenvolvimento tecnológico de nosso país avance de modo a podermos estar emparelhados ou à frente dos principais países do mundo. Isso depende de nós e para ajudar neste propósito continuamos a fornecer mais e mais conteúdo para nosso site.

Leia mais...

BUSCA DATASHEET

N° do componente->   (Como usar este quadro de busca)


Verdade
A verdade é filha o tempo. (Veritas temporis filia)
Auro Gélio (sec II d.C.) - Noites Altas - Ver mais frases


Instituto Newton C Braga
Entre em contato - Como Anunciar - Políticas do Site

Apoio Social
Lions Clube de Guarulhos Sul SOS Mater Amabilis
Advertise in Brazil
If your business is Electronics, components or devices, this site is the correct place to insert your advertisement (see more)