Controle de Ventoinha com o MIC502 - Micrel (MEC101)

Este artigo de 2008 descreve uma aplicação do circuito integrado MIC502 no controle de uma ventoinha. Antes de pensar na sua montagem, sugerimos verificar a disponibilidade do circuito integrado MIC502 em nosso mercado.

O circuito integrado MIC502 da Micrel (www.micrel.com) consiste num controle de ventoinha com diversos recursos importantes como a compatibilidade NLX/ATX e entrada para um sensor de temperatura. Neste artigo descrevemos a aplicação deste circuito com fontes de 5 V e de 12 V. Mais informações sobre este componente podem ser obtidas no datasheet do MIC502

Nas aplicações com o MIC502 a velocidade da ventoinha é determinada por um sensor externo de temperatura, normalmente baseado num termistor, conforme o circuito básico da figura 1.

 

Figura 1 - Circuito básico de aplicação do MIC502 no controle de velocidade de uma ventoinha.
Figura 1 - Circuito básico de aplicação do MIC502 no controle de velocidade de uma ventoinha.

 

Um segundo sinal, como o NLX FanC produz pulsos de baixa freqüência modulados em duração para excitar um transistor de potência externo. Este transistor tem como carga o motor da ventoinha. Assim, a velocidade do motor é controlada por um sinal PWM conforme a temperatura. O uso de motores de baixo consumo possibilita a obtenção de configurações com baixo nível de ruído, excitada por um transistor de pequena potência. A freqüência do PWM é determinada por um capacitor externo Uma saída em coletor aberto é usado para indicar a condição de sobretemperatura se ela sair fora da faixa controlada pelo circuito direto ao motor.

O MIC502 possui ainda recursos de baixo consumo com um limiar determinado pelo usuário. Na condição "sleep" o motor é desligado o que ocorre quando o sistema está em repouso ou mesmo desligado. Um shutdown completo ou reset podem também ser iniciados por um circuito externo, caso assim seja desejado.

O MIC502 é fornecido em invólucro DIP ou SOIC de 8 pinos, conforme pinagem mostrada na figura 2.

 

Figura 2 - Invólucros e pinagens do MIC502.
Figura 2 - Invólucros e pinagens do MIC502.

 

O MIC502 pode ser alimentado com tensões entre 4,5 e 12 V e pode controlar ventoinhas de qualquer tensão. Na figura 3 temos o diagrama de blocos com as funções deste CI.

 

Figura 3 - Diagrama de blocos com as funções do MIC502.
Figura 3 - Diagrama de blocos com as funções do MIC502.

 

O oscilador interno pode ser programado por um capacitor externo (CF) para operar em freqüências PWM de 30 Hz a 60 Hz. O circuito PWM opera com uma faixa de tensões de 30% a 70% de Vdd, o que corresponde a 0 a 100% do ciclo ativo. A corrente A saída fornece uma corrente de 10 mA ou drena 1 mA para o controle de um transistor de saída. Como o fornecimento de corrente é maior que a drenagem, recomenda-se o uso de transistores NPN. Na operação um reset ocorre ao se estabelecer a alimentação. Nestas condições OUT está desligada (nível baixo) e /OTF inativa (nível alto ou flutuante). Se Vr1 for menor que Vil então o MIC502 permanece em shutdown. O intervalo de partida começa e a saída OUT irá ao nível alto depois de 64 ciclos de clock. Em seguida, inicia-se a operação normal. Na figura 4 temos o circuito para uma alimentação de 5 V.

 

Figura 4 -  Circuito para alimentação de 5 V com ventoinha de 12 V
Figura 4 - Circuito para alimentação de 5 V com ventoinha de 12 V

 

Neste circuito pode-se utilizar um transistor 2N2222A para correntes até 400 mA. Para alimentação com 12 V e uma tensão adicional de 5 V temos o circuito da figura 5. Neste caso, o transistor também pode ser o 2N2222A.

 

Figura 5 - Circuito para alimentação de 12 V
Figura 5 - Circuito para alimentação de 12 V

Opinião

Novos tempos (OP213)

O mundo mudou. Depois da pandemia e também da guerra na Ucrânia o mundo será outro. Estamos presenciando e percebendo isso. Já não somos mais os mesmos.

Leia mais...

Localizador de Datasheets e Componentes


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

Podcast INCB Tecnologia