Mais usos para o Multímetro (INS419)

O multímetro é o instrumento de maior utilidade em qualquer oficina de reparação. Assim, conforme abordamos em outros artigos, todo o técnico que se estabelece profissionalmente precisa ter um de boa qualidade. O multímetro ideal para os trabalhos de reparação deve possuir pelo menos 3 escalas de corrente, 5 de tensões contínuas e alternadas e pelo menos 3 escalas de resistências.

Este artigo é de uma publicação nossa de 1986, no entanto é ainda atual pelas técnicas que ensina. Nos artigos seguintes temos outros usos para este instrumento.
Hoje contamos com os tipos digitais também a custo acessível. No entanto, para certos testes e reparação ainda é conveniente ter um bom multímetro analógico na oficina.

 

A sensibilidade do multímetro ideal deve ser superior a 10.000 ohms por volt, e quanto maior for este valor, melhor será a qualidade do instrumento.

Existem bons instrumentos, inclusive de fabricação nacional, que podem ser adquiridos com as características exigidas para um trabalho profissional. (figura 1)

 


 

 

O primeiro passo que todo o técnico deve dar ao conseguir seu multímetro é aprender a usá-lo. Para isso, deve verificar em seu manual todos os procedimentos para as diversas medidas.

Um ponto muito importante para garantir a integridade do instrumento e procurar sempre saber o que vai medir.

Cuidado! Nunca confunda as unidades como tensão e corrente, pois isso pode levar a sérios desastres.

Um desastre comum e a experiência que muitos técnicos fazem de medir a “corrente“ da rede de alimentação, ligando as pontas de prova diretamente na tomada com o instrumento ajustado para a escala de mA (corrente).

Isso causa a queima instantânea do aparelho, pois na rede o que temos e tensão e não corrente. A corrente é estabelecida pela carga, que é o instrumento, e como sua resistência é muito baixa na escala de mA a queima e imediata, pois a corrente será muito alta.

Para medir a rede, ou seja, verificar se há tensão, a escala usada é a de volts de corrente alternada (VCA), com fundo de pelo menos 250. Assim, o valor 110 será 110 V ou 220 V, conforme a rede.

Devemos então dar algumas noções iniciais sobre as unidades elétricas que o multímetro mede e seus significados:

 

a) Volt: é a unidade de tensão, abreviada por V. A medida de tensão é a mais realizada nos circuitos eletrônicos ligados, sendo feita conforme mostra a figura 2.

 


 

 

 

Encontramos as pontas de prova entre os pontos em que queremos saber a tensão ou diferença de potencial. Se a tensão medida for continua, a polaridade das pontas de prova deve ser observada. A ponta vermelha deve ser colocada no ponto de tensão mais alto ou positivo.

A ponta preta vai ao ponto de menor potencial ou negativo, que também pode ser o chassi do aparelho. Se a tensão for alternada, não será preciso observar a polaridade. O multímetro deve ser ajustado de acordo com a tensão medida.

 

b) Ohm: é a unidade de resistência, abreviada por ohms (ômega - ?), que é uma letra do alfabeto grego.

A medida da resistência é feita sempre com o aparelho desligado e a polaridade deve ser observada no caso de certos componentes como diodos e transistores.

Com a medida da resistência normalmente se faz a prova de componentes como os resistores, bobinas, capacitores, transformadores, etc. Nos circuitos eletrônicos encontramos resistências tão baixas como 1 ohm ou tão altas como 10.000.000 de ohms.

Na figura 3 mostramos como proceder para a medida de uma resistência.

 


 

 

c) Ampère: é a unidade de corrente, abreviada por A. A medida da corrente não é muito comum nos testes de aparelhos eletrônicos, e a sua realização exige alguns cuidados especiais como a interrupção do circuito, conforme mostra a figura 4.

 


 

 

 

Dificilmente se mede a corrente num componente de circuito. O mais comum é a medida da corrente de fontes de alimentação.

 

Medidas de corrente

A medida da corrente de uma fonte de alimentação, ou da corrente de repouso de uma etapa de saída de um amplificador de áudio e algo que o técnico deve saber fazer.

Para isso, deve ser usado o multímetro na escala apropriada de corrente. Observamos que, de todas as medidas, a que exige mais cuidados é justamente esta, pois qualquer descuido leva à queima do multímetro.

O multímetro deve inicialmente ser colocado na escala mais alta de corrente.

Depois, antes de ligá-lo ao aparelho, devemos fazer uma prova isolado do equipamento no qual vamos medir a corrente para saber se ele não está em curto.

Se ligarmos um amplificador e seus transistores de saída aquecerem demais instantaneamente ou resistores fumegarem é sinal que está havendo excesso de corrente em algum ponto. Se tentarmos medir esta corrente ela pode causar a queima do instrumento. (figura 5)

 


 

 

 

Uma vez constatada que a corrente está próxima do normal, ou seja, não ha sina de curto ou excesso, podemos pensar na sua medida.

Na figura 6 vemos o modo de ligação do multímetro na escala de corrente em série com a alimentação de um amplificador.

 


 

 

 

O trimpot entre as bases dos transistores de saída deste amplificador deve então ser ajustado para a corrente de repouso recomendada pelo projetista. O ajuste deve ser feito com muito cuidado para se evitar problemas com o multímetro.

Por segurança, um bom procedimento é a ligação em série de um fusível rápido com a capacidade igual à do fundo da escala do instrumento, ou seja, em torno de 500 mA.

Na figura 7 damos o procedimento para medir a corrente de uma fonte de alimentação pequena, que alimenta uma certa carga cuja corrente queremos saber.

 

 


 

 

 

É claro que antes você deve ter ideia da corrente que está sendo fornecida pela fonte para que não haja perigo de sobrecarregar o instrumento. Os multímetros comuns têm escalas máximas de corrente em torno de 500 a 600 mA, o que está abaixo do valor da corrente máxima de certas fontes.

 

Medida segura de correntes

Para os casos em que não temos certeza da intensidade da corrente que queremos medir e ela pode atingir valor elevado, acima de 1 A, existe um método seguro que protege de certo modo o instrumento contra sobrecargas.

Este método consiste em se medir a tensão sobre um resistor de valor conhecido e pela aplicação de uma fórmula simples (lei de Ohm) calculamos a corrente.

Na figura 8 mostramos como isso deve ser feito.

 


 

 

 

O resistor usado pode ser de 1 ohm no máximo, mas valores como 0,1 ohm são recomendados se a fonte for de menos de 12 volts.

A tolerância do resistor deve ser a mais baixa possível, 2% ou 5% se possível, pois dela dependerá a precisão da medida.

O que fazemos então é medir a tensão sobre o resistor. Para 1 ohm, cada volt medido vale 1 ampère, pois:

I = V/R e R=1 ohm

Para 0,1 ohm, cada 0,1 volt vale 1 ampère, pois:

I = V/R e R=0,1 ohm

Veja então que, com este procedimento, toda a corrente praticamente circula pelo resistor, de modo que, se houver algum problema de excesso de corrente, é este componente que vai suportar e o multímetro fica mais seguro.

Colocando o multímetro na escala de 0-5 volts, por exemplo, podemos medir correntes até 5 A.

Com relação à influência do resistor no circuito, para apenas 1 A numa fonte de 20 volts, provoca uma queda de 1/20 ou 5% sendo esta a alteração provocada no circuito, a qual, para efeitos práticos, não é significativa.

Vale mais a segurança do que a precisão absoluta neste caso!

 


Opinião

Eventos e muito mais (OP212)

Nosso grande destaque deste mês é o nossa Jornada do Desenvolvimento, que ocorrerá em três etapas sendo a primeira a que foi realizada entre 9 e 13 de agosto. Ela foi uma preparação para as demais que devem ocorrer em setembro e outubro, com oficinas de desenvolvimento com o Edukit SigFox e a Franzininho, numa jornada com os próprios criadores.

Leia mais...

Localizador de Datasheets e Componentes


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

Podcast INCB Tecnologia