Analisador Dinâmico de Circuitos (INS543)

Para os que gostam de eletrônica, a possibilidade de se ter na bancada um interessante circuito analisador que complementa as utilidade do multímetro é algo muito atraente. É justamente isso que descrevemos: um aparelho que reúne num só, seguidor de sinais, injetor de sinais, provador de continuidade e amplificador de prova.

Existem alguns aparelhos simples, que nem sempre podem ser comprados prontos,que são de grande utilidade na bancada.

Dentre eles destacamos o injetor de sinais, o seguidor de sinais, o amplificador de prova e o provador de continuidade.

O que propomos neste artigo é ter um circuito único que pode ter suas funções comutadas de modo a operar como qualquer um dos aparelhos indicados acima.

Assim, reunimos num único equipamento tudo que o leitor precisa para fazer a análise de seus circuitos.

O instrumento contará então com as seguintes funções:

Injetor de sinais – gerando um sinal retangular cujas harmônicas permitem provar desde circuitos de áudio até receptores de AM e FM e ondas curtas.

Seguidor de sinais – podendo acompanhar num circuito tanto sinais de áudio como RF (possui detector), com a reprodução num pequeno alto-falante.

Provador de continuidade – possibilitando o teste de componentes e circuitos com grande sensibilidade

Amplificador de prova – para teste de transdutores e circuitos de áudio de pequena potência.

Teste de capacitores – testando capacitores de 1 nF a 1 uF.

Na figura 1 temos uma sugestão de caixa para a montagem deste aparelho.

 

Figura 1 – Sugestão de montagem
Figura 1 – Sugestão de montagem | Clique na imagem para ampliar |

 

Como Funciona

Na figura 2 temos o diagrama de blocos de nosso analisador dinâmico de circuitos.

 

   Figura 2 – Diagrama de blocos
Figura 2 – Diagrama de blocos | Clique na imagem para ampliar |

 

Conforme podemos ver pela figura, o circuito consiste em diversos blocos que realizam funções diferentes, comutadas por um sistema de chaves e utilizadas por um conjunto de jaques.

O primeiro bloco consiste no injetor que nada mais é do que um multivibrador astável com a frequência ajustada por um potenciômetro.

Este injetor gera sinais retangulares na faixa de áudio que podem ser utilizados a partir das saídas J1 e J2.

O segundo bloco consiste num amplificador com dois transistores que pode ter sua função comutada e operar com diversos blocos adicionais que são mostrados no diagrama de blocos.

Assim, quando conectamos o bloco que seleciona as entradas J5 e J6, ele opera como um seguidor de sinais, trabalhando com sinais de áudio ou com sinais de RF.

Quando o bloco oscilador é acoplado neste circuito, formando um Elo de realimentação, ele pode testar capacitores que são ligados aos bornes J7 e J8.

Também podemos ligar a este circuito o bloco de continuidade que ativa o oscilador em função do circuito externo analisado.

Na saída do amplificador temos ainda a opção de obter a indicação dos testes de continuidade por um instrumento indicador.

Na figura 3 mostramos como este indicador pode ser utilizado.

 

   Figura 3 – O provador de continuidade com instrumento
Figura 3 – O provador de continuidade com instrumento | Clique na imagem para ampliar |

 

 

Montagem

Na figura 4 temos o diagrama completo do analisador de circuitos

 

   Figura 4 – Diagrama do analisador de circuitos
Figura 4 – Diagrama do analisador de circuitos | Clique na imagem para ampliar |

 

A placa de circuito impresso para a montagem é mostrada na figura 5.

 

   Figura 5 – Placa para a montagem
Figura 5 – Placa para a montagem | Clique na imagem para ampliar |

 

É possível fazer uma montagem descompromissada usando uma ponte de terminais, como mostra a figura 6.

 

   Figura 6 – Montagem em ponte de terminais
Figura 6 – Montagem em ponte de terminais | Clique na imagem para ampliar |

 

No entanto, deve-se tomar cuidado para que os terminais dos componentes sejam curtos e não encostem uns nos outros.

Para as conexões externas podem ser usados bornes.

Na montagem, observe os tipos e posições dos transistores e a polaridade dos capacitores eletrolíticos.

Podem ser preparados cabos com garras e pontas de prova para facilitar o trabalho com o analisador.

 

Prova e Uso

Colocando S2 na posição A o LED1 deve acender e passando para a posição B, fechamos S4 e ajustamos P2.

O alto-falante deve emitir som que mudará de frequência e o indicador M1 dará uma indicação.

Ajuste P3 para que o fundo de escala do instrumento não seja ultrapassado.

Com este procedimento, verificamos o funcionamento da etapa formada por Q3 e Q4.

A seguir, abrimos S4 e deixamos S2 na posição B.

Aplicando o sinal de J1 em J6 e depois em J5, ajustando P2 deveremos ter a reprodução de som no alto-falante.

A frequência deste som pode ser ajustada em P1.

 

Para usar:

a) Injetor – ligue a garra em J2 e a ponta em J1.

b) Provador de continuidade visual – deixe S1 aberta, e coloque S2 na posição A. Ligue as pontas de prova em J3 e J4. Ajuste a sensibilidade em P2. A indicação é feita por M1 e pelo LED

c) Provador de continuidade – feche S4 e passe S2 para a posição B e mantenha S4 aberta. As pontas de prova devem ser ligadas em J3 e J4. O ajuste de sensibilidade é feito em P4.

d) Seguidor de sinais de áudio – mantemos S1 fechada e ajustamos a sensibilidade m P2. A garra é ligada em J2 e a ponta de prova em J5.

e) Provador de capacitores – S2 mantida na posição B e as pontas de prova em J3 e J4 ou J7. A chave S1 é fechada e S4 mantida. Ajuste P2 para haver oscilação com o capacitor em teste.

 

Q1, Q2 e Q3 – BC548 – transistores NPN de uso geral

Q4 – BC558 – transistor PNP de uso geral

D1 – 1N34- diodo de germânio

LED1, LED2 – LEDs comuns de qualquer cor

M1 – 200 uA ou 1 mA – galvanômetro

B1 – 6 V – 4 pilhas pequenas

S1, S3, S4 – interruptores simples

S2 – Chave de 2 pólos x 2 posições

J1 a J7 – bornes comuns isolados

P1 – 1 M ohms – potenciômetro

P2 – 2M2 – potenciômetro

P3 – 47 k – potenciômetro

FTE – 4 ou 8 ohms – 2,5 10 cm – alto-falante

R1 e R4 – 2,2 k ohms x 1/8 W – resistores – vermelho, vermelho, vermelho

R2 – 47 k ohms x 1/8 W – resistor – amarelo, violeta, laranja

R3 e R5 – 10 k ohms – resistores – marrom, preto, laranja

R6 – 4k7 ohms – resistor – amarelo, violeta, vermelho

R7, R8 – 1 k ohms x 1/8 W- resistor – marrom, preto, vermelho

C1, C2 – 47 nF – cerâmico ou poliéster

C3 – 10 nF – cerâmico ou poliéster

C4 – 470 nF - cerâmico ou poliéster

C5 – 220 uF x 12 V – eletrolítico

Diversos:

Placa de circuito impresso ou ponte de terminais, caixa para montagem, botões para os potenciômetros, suporte de pilhas, fios, solda, etc.

 

 

 

 

 

 

 

 


Opinião

O que vem pela frente (OP210)

Uma das características do Instituto Newton C. Braga é a manutenção do ritmo de suas realizações, independentemente do que se passa no nosso mundo. Não foi a pandemia, nem crises de qualquer tipo que alteraram nosso ritmo de trabalho.

Leia mais...

Localizador de Datasheets e Componentes


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)