Medindo o Consumo de Aparelhos Alimentados Por Pilhas (INS554)

Muitos problemas de pequenos aparelhos alimentados por pilhas ou bateria afetam o consumo. As pilhas e bateria duram poucos e, além disso, outros problemas podem se manifestar. Medir a corrente de um circuito é, portanto, algo que o reparador deve saber como fazer. Veja neste artigo mais sobre o assunto.

Uma etapa deficiente de um aparelho transistorizado, como um radinho, pode alterar a corrente drenada pela fonte de energia, pilhas ou bateria, causando seu rápido esgotamento.

Outros problemas podem aparecer como baixo volume, distorção, perda de sensibilidade, etc.

Com um multímetro comum é possível verificar se existe algum tipo de anormalidade justamente com a medida da corrente.

Na figura 1 temos o modo de se medir a corrente consumida por um circuito transistorizado simplesmente encostando as pontas de prova no terminal do interruptor geral (normalmente acoplado no potenciômetro de volume).

 

 

   Figura 1 – Medindo a corrente
Figura 1 – Medindo a corrente

 

Veja que ao encostarmos as pontas de prova, a baixa resistência do multímetro (numa escala apropriada de correntes) deixar passa r corrente ligando o aparelho.

O teste deve ser feito com cautela na escala mais alta, pois se houver um curto, a corrente tende a ser intensa, podendo sobrecarregar o instrumento.

Lembramos ainda que o consumo e a durabilidade das pilhas num radinho, por exemplo, depende do volume com que ele é usado, conforme mostra a figura 2.

 

   Figura 2 – Consumo x volume
Figura 2 – Consumo x volume

 

 

Muitos rádios transistorizados antigos possuem uma etapa de saída em push-pull usando transformadores com a configuração mostrada na figura 3.

 

   Figura 3 – Etapa de saída de rádio transistorizado antigo
Figura 3 – Etapa de saída de rádio transistorizado antigo

 

 

Um problema que ocorre com este circuito, cujo aspecto é mostrado na figura 4, é o aumento de consumo por problemas dos componentes, principalmente dos transistores.

 

   Figura 4 – Aspecto da etapa
Figura 4 – Aspecto da etapa

 

 

Se um dos resistores se alterar, ou ainda, um dos transistores apresentar fugas, o consumo aumenta com o desgaste rápido das pilhas, perda de volume e distorção.

Deve-se então verificar os componentes, eventualmente com sua retirada e teste.

Uma variação para este tipo de circuito é mostrada na figura 5 em que temos apenas um transistor.

 

   Figura 5 – Etapa com um transistor
Figura 5 – Etapa com um transistor

 

 

Um problema simples que pode ocorrer é a modificação das características dos componentes com o tempo, levando o rádio a ter seu consumo aumentado.

Uma corrente típica de repouso destes circuito não pode ser maior que 20 mA.

Podemos alterar o valor de um dos resistores de polarização, conforme mostra a figura 6, de modo a diminuir o consumo.

 

 

    Figura 6 – Alterando componentes para reduzir o consumo
Figura 6 – Alterando componentes para reduzir o consumo

 

 

A redução do resistor à terra modifica a polarização diminuindo o consumo da etapa compensando eventuais alterações dos componentes.

Podemos fazer isso ligando em paralelo, por baixo da placa, sem remover o original, conforme mostra a figura 7.

 

   Figura 7 – Acrescentando um resistor
Figura 7 – Acrescentando um resistor

 

O valor dele, normalmente deve ser experimentado em 3 a 10 vezes o valor do original.

Um outro tipo de etapa de saída de áudio encontrada em muitos equipamentos transistorizados alimentado por pilhas ou baterias é a mostrada na figura 8.

 

   Figura 8 – Etapa de saída sem transformador
Figura 8 – Etapa de saída sem transformador

 

Esta etapa tem a vantagem de não usar transformadores, que são componentes caros e volumosos.

O resistor R2 influi tanto no ganho como na corrente de repouso.

Alterações dos componentes, caso dos transistores, levando a um consumo maior ou mesmo a troca dos transistores por outros de ganhos diferentes, pode ser compensada.

No caso de pequenos rádios de pilhas ou bateria de 9 V, podemos alterar o resistor de realimentação polarização.

A alteração deve ser feita no sentido de se obter uma corrente de repouso de 5 a 20 mA, e na reprodução do som não deve haver distorção.

A medida da tensão nas diversas etapas de um circuito é importante para verificar se elas recebem alimentação;

Na figura 9 temos o modo de se fazer estas medidas usando um multímetro analógico comum.

 

   Figura 9 – Medida de correntes em etapas
Figura 9 – Medida de correntes em etapas

 

Alguns problemas em etapas são simples de detectar como a interrupção do enrolamento primário de um transformador, quando a corrente medida cai a zero, conforme mostra a figura10.

 

   Figura10 – Medindo a corrente de primário
Figura10 – Medindo a corrente de primário

 

Num caso como este, devemos retirar o transformador e fazer a medida da resistência do enrolamento, conforme mostra a figura 11.

 

   Figura 11 – Testando um transformador
Figura 11 – Testando um transformador

 

A resistência lida num transformador em bom estado deve ser muito baixa, da ordem de 100 ohms no máximo.

Finalmente, na figura 12 temos o modo de se testar o interruptor geral para verificar se as etapas do circuito estão sendo alimentadas.

 

   Figura 12 – Testando o interruptor geral
Figura 12 – Testando o interruptor geral

 

 

Conclusão

Estes são apenas alguns testes que podem ser realizados em equipamentos alimentados por pilhas para se encontrar eventuais problemas.

Conforme já informamos, além de uma boa quantidade de artigos no site, temos nosso livro Conserte Tudo e a série Como Testar Componente, indispensável aos que desejam ter uma oficina de service.

 

 

 

 


Opinião

O que vem pela frente (OP210)

Uma das características do Instituto Newton C. Braga é a manutenção do ritmo de suas realizações, independentemente do que se passa no nosso mundo. Não foi a pandemia, nem crises de qualquer tipo que alteraram nosso ritmo de trabalho.

Leia mais...

Localizador de Datasheets e Componentes


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)