Eletrônica paranormal e Arduino (PN048)

Uma das seções de maior sucesso de nosso site, assim como um de nossos livros, tratam das pesquisas de fenômenos paranormais usando a eletrônica. Sem dúvida, trata-se de um tema muito interessante a ponto de termos ganho um prêmio internacional justamente tratando disso. O livro está sendo revisto assim como sendo planejada uma edição mais avançada, para os que dominam os microcontroladores, justamente com projetos que usam, principalmente o Arduino. Neste artigo tratamos deste assunto.

De fato, nosso livro Electronic Projects from de Next Dimension (Projetos Eletrônicos de Outras Dimensões). Publicado pela Newnes em 2001 foi um dos maiores best sellers do autor no exterior, tendo sido traduzido para o árabe e russo.

Além disso, posteriormente foi feita uma edição compactada em português que também foi um sucesso de vendas aqui. Esta edição está sendo revista para publicação em breve. Diversos projetos estão sendo atualizados

O livro trata basicamente de projetos práticos que podem ser montados com material de baixo custo, destinados à pesquisa de fenômenos paranormais como gravações de vozes (Instrumental Telecommunications), aura (Efeito Kirlian), ressonância estocástica e sua utilização, biofeedback, telecinese, rabdomancia, hipnose, sensores diversos, etc. Veja na página em inglês o índice deste livro.

 


 

 

Mas, o livro é algo antigo. Se bem que seus projetos possam ser desenvolvidos com material ainda comum, podemos pensar em ir além usando uma tecnologia mais moderno.

Será que podemos adaptar os projetos para que façam uso de técnicas modernas, como microcontroladores, circuitos digitais de recepção, modulação digital etc.?

Alguns leitores nos cobraram esta possibilidade e realmente, verificamos que muitos dos projetos daquela época podem ser recriados com tecnologia moderna e outros mais podem ser criados a partir de novas ideias, inclusive usando conceitos de física quântica.

O fato é que devemos levar em conta que a eletrônica que chamamos de “paranormal” a cada dia está deixando menos espaço para a pesquisa. Muitos dos fenômenos que antes eram considerados “paranormais” estão sendo explicados tanto pela física comum como pela física quântica e abrindo possibilidades fantásticas para os pesquisadores que desejam se aventurar nesse mundo.

Lembramos que, como sempre, nossa finalidade ao escrever artigos e livros sobre esse tema, assim como produzir vídeos e podcasts, é dar as ferramentas para os pesquisadores. Deixamos para eles a descoberta dos fenômenos e as suas aplicações. Nossa formação é tecno-científica de modo as explicações que saiam deste contexto não são avalizadas por nós.

 

Projetos com Arduino

O Arduino é um microcontrolador. Desta forma, sua contribuição para o desenvolvimento de projetos paranormais está justamente na possibilidade de detectar sinais, utilizando-os para acionar dispositivos de aviso ou registro assim como de controlar dispositivos, gerando sinais ou outros equipamentos de forma programada ou controlada.

Colocamos então o Arduino numa das configurações possíveis mostradas na figura 1.

 

Aplicações possíveis
Aplicações possíveis

 

Podemos dar alguns exemplos interessantes baseados no conteúdo de nosso próprio site.

 

Um tipo de projeto que descrevemos em nossos artigos é um detector de OVNIs (Objetos Voadores Não Identificados ou popularmente “discos voadores”). Na verdade, é um tema em alta que pode ser explorado com uma pesquisa interessante.

No artigo PN012, por exemplo, descrevemos um circuito que se baseia no fato de que os relatos dizem que a presença de um OVNI causa distúrbios magnéticos que podem ser detectados.

O circuito, cujo diagrama é mostrado na figura 2, consiste num detector que dispara um alarme sonoro.

 

Detector sensível de OVNIs
Detector sensível de OVNIs

 

 

Podemos melhorar este projeto com a ajuda de um microcontrolador. A ideia seria fazer a contagem de pulsos magnéticos detectados, apresentando seu número num display.

Nesse circuito, podemos fazer isso de diversas maneiras.

Num primeiro caso, podemos ligar a saída (pino 6) diretamente à uma entrada sensores analógica do Arduino para detectar o nível do pulso e sua duração, fazendo assim uma detecção seletiva.

A outra forma, para a contagem de pulsos de intensidade ajustada em P1, consiste em usar uma entrada digital ligada na saída do 555, onde os pulsos são livres de repiques, conforme mostra a figura 3.

 

Contando pulsos magnéticos com o Arduino – Na saída ligamos um display
Contando pulsos magnéticos com o Arduino – Na saída ligamos um display

 

 

Uma outra adaptação de projeto nosso para usar um microcontrolador, sendo aperfeiçoada, portanto, é o detector Psicotrônico do artigo PN020.

Neste circuito, parte-se da ideia de que certos fenômenos ligados a psicocinese, clarividência, premonição e outros estão associados à pequenas alterações da temperatura da pele.

O circuito detecta estas variações mostrando-as num instrumento indicador de bobina móvel, conforme mostra a figura 4.

 

O Detector
O Detector

 

 

Os sensores são diodos comuns cuja condutividade inversa se altera com a temperatura. Podemos melhorar este circuito tornando-o microcontrolado de uma forma relativamente simples.

Usamos as etapas Darlington sensíveis para sensoriamento das temperaturas dos dedos, por exemplo, como indicado no artigo original.

E, através de um programa apropriado podemos excitar um display e até registrar na memória um certo número de eventos programado. A ligação das entradas é mostrada na figura 5.

 

Ligação de um sensor
Ligação de um sensor

 

Na prática podemos ligar diversos sensores, pois o Arduino possui diversas entradas analógicas.

Uma outra possibilidade interessante consiste no controle de projetos que usam ruído branco para transcomunicação. Veja nosso artigo Vozes do Além – PN003 para mais informações.

Nessa modalidade de pesquisa é comum o uso de fontes de ruído branco, normalmente reproduzidas num alto-falante de modo contínuo ou ainda de outra forma.

Com o controle de um Arduino podemos modificar o modo como o ruído é produzido usando, por exemplo, diversos geradores de modo alternado, alternando ruído branco com ruído rosa, e assim por diante.

Na figura 6 temos o diagrama deum gerador de ruído branco e de ruído rosa quando a chave S1 é acionada. Esse circuito pode ser controlado por um microcontrolador de modo simples.

 

Gerador de ruído branco e rosa.
Gerador de ruído branco e rosa.

 

 

O controle por um microcontrolador pode ser feito de forma simples ligando e desligando o gerador por um nível lógico aplicado ao emissor de Q1. No nível baixo o circuito deixa de oscilar.

Cara tirar e colocar C1 no circuito, podemos usar uma chave digital para S1 acionando-a por um nível lógico.

Um 4066, por exemplo, poderia fazer isso de modo simples.

Veja então que podemos programar experimentos envolvendo ruídos brancos gerados de forma controlada.

 

Outros experimentos

Veja que a associação de circuitos básicos para experimentos paranormais com microcontroladores pode ir muito além e até permitir a criação de novas aplicações.

Podemos, por exemplo, tratar de experimentos com ritmos cerebrais captados com a ajuda de sensores e que poderiam ser detectados ou registrados a partir de um microcontrolador devidamente programado para diferenciar as diversas frequências.

Um interessante laboratório paranormal poderia ser desenvolvido com a utilização de diversos circuitos sensores, atuadores, e outros controlados por uma central programada, obviamente usando um microcontrolador.

Consultando nossa seção o leitor pode ter muitas ideias e certamente pode lhe ocorrer aplicações práticas, inclusive com a criação de aplicativos para o celular.

 

 

 


Opinião

Olhando para o futuro

Já estamos aprendendo a viver com a pandemia e nos preparando para os tempos em que tudo voltará ao normal, mas não o normal a que estávamos acostumados. Um novo normal, com novos hábitos, a tecnologia aplicada talvez de uma forma diferente, novas profissões e principalmente tecnologias específicas que antes não haviam sido pensadas.

Leia mais...

Localizador de Datasheets e Componentes


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

Podcast INCB Tecnologia