Repetidor Telefônico (ART2222)

Em oficinas barulhentas, casas muito grandes pode ocorrer do telefone tocar e ninguém ouvir ou pelo barulho ambiente ou por estar muito longe. Uma campainha ou outro sistema de chamada que toque junto com o telefone e de modo automático é a solução ideal para este problema. O que apresentamos é justamente isso: um sistema que aciona ao mesmo tempo que ocorre a chamada uma cigarra, sirene ou campainha de grande potência.

Como obter um som potente para um telefone? A solução apresentada vem da eletrônica: um sistema de repetição de uma chamada que aciona um relé e com ele uma cigarra, sirene ou campainha potente.

Assim, nem mesmo em lugares barulhentos ou casas muito grandes, as pessoas vão deixar de ouvir a chamada quando ela ocorrer.

O aparelho é relativamente simples de montar e não usa componentes especiais.

A cigarra ou campainha usada pode ser alimentada pela rede local de 110 ou 220 V o que garante uma excelente potência sonora.

Como o circuito é ligado à rede telefônica observamos que em alguns casos existem restrições quanto ao seu uso.

O leitor deve consultar a empresa telefônica local antes de fazer sua montagem.

Obs. O artigo é de 1990

 

COMO FUNCIONA

A ideia básica é muito simples: temos uma etapa amplificadora transistorizada que a partir do tom de chamada de baixa freqüência aciona um relé que, por sua vez, aciona a carga que é a campainha, sirene ou cigarra.

Os transistores estão na configuração Darlington e como o relé é sensível precisamos de uma corrente muito pequena para o acionamento do circuito.

Esta corrente é obtida pela aplicação direta na base do transistor do sinal, através do resistor R4 e de C3.

R3 e P1 polarizam a base do primeiro transistor de modo a deixar o circuito no limiar do acionamento do relé.

Este é o único ajuste que precisamos fazer neste circuito.

A alimentação para o sistema vem de urna fonte estabilizada em que temos um transformador redutor e dois diodos na retificação.

O capacitor C1 faz a filtragem e Cl-i, um integrado 7806, garante a presença na etapa de disparo de uma tensão de 6 volts.

Um LED serve de monitoria de funcionamento do aparelho, o que é importante para que o usuário não o esqueça ligado à noite, quando não se necessita de uma chamada barulhenta.

Existem dois fusíveis de proteção: um deles para a cigarra e outro para o próprio circuito eletrônico.

A alimentação poderá ser feita tanto a partir da rede de 110 V como de 220 V.

 

MONTAGEM

Na figura 1 temos o diagrama completo do aparelho.

 

Figura 1 – Diagrama do aparelho
Figura 1 – Diagrama do aparelho | Clique na imagem para ampliar |

 

A placa de circuito impresso é mostrada na figura 2.

 

   Figura 2 – Montagem em placa universal ou matriz de contatos
Figura 2 – Montagem em placa universal ou matriz de contatos | Clique na imagem para ampliar |

 

 

Optamos pela utilização de uma placa universal com padrão de matriz de contactos.

Para o relé (micro-relé) usamos um soquete DIL de 14 pinos. O integrado deve ser dotado de uma pequena chapinha que funcionará como radiador de calor.

Os resistores são todos de 1/8 ou ¼ W e os capacitores eletrolíticos devem ter urna tensão de trabalho de 16 V.

C3 e C4 são capacitores de poliéster com tensão de trabalho de 200 V ou mais.

Para os transistores existem equivalentes. Na verdade qualquer NPN de silício de uso geral pode ser usado como os BC237, BC238, BC547, etc.

Na fonte usamos diodos IN4148 ou IN914 e na sua falta até mesmo os 1N4002 podem ser usados.

O transformador tem enrolamento primário de 110 V ou 220 V conforme a rede de alimentação local e para os fusíveis usamos suportes apropriados.

A corrente de secundário do transformador pode ficar entre 300 mA e 1 A.

O LED é vermelho, comum, devendo ser montado em suporte de acordo com a caixa.

Na figura 3, mostramos a caixa e a instalação junto ao telefone.

 

   Figura 3 –Modo de usar
Figura 3 –Modo de usar | Clique na imagem para ampliar |

 

 

Observe que, para a campainha ou cigarra podemos usar um fio com alguns metros de comprimento.

Esta campainha deve ser do tipo para 110 V ou 220 V com intensidade sonora de acordo com as necessidades do leitor.

 

AJUSTE E USO

Para ajustar peça para alguém ligar algumas vezes e ajuste P1 para obter o fechamento do relé com o acionamento da cigarra ou campainha.

Se o ajuste se tornar muito crítico, aumente o valor de R3 para 1M5 ou 2M2 até obter um bom funcionamento.

 

CI-1 - 7806 - circuito integrado

Q1, Q2 - BC548 ou equivalentes - transistores de uso geral

LED1 - LED vermelho comum

D1, D2 - 1N4002 - diodos de silício

D3, D4 - 1N4148 - diodos de silício

P1 – 470 k - trimpot

K1 - Micro-relé para 6 V ou equivalente

S1 - Interruptor simples

F1 - 250 mA - fusível

F2 -1A - fusível

T1 - Transformador com primário de acordo com a rede e local e secundário de 9 + 9 V ou 12+ 12 V x 500 mA

X1 - cigarra de até IA para a rede local

Cl - 1 000 uF x 16 V – capacitor eletrolítico

C2 - 100 uF x 12 V - capacitor eletrolítico

C3, C4 - 470 nF - capacitores de poliéster

R1 - 1k5 - resistor (marrom, verde, vermelho)

R2 - 22 ohms - resistor (vermelho, vermelho, preto)

R3 - 1M - resistor (marrom, preto, verde)

R4, R5 - 47k - resistores (amarelo, violeta, laranja)

Diversos: fios, solda, placa de circuito impresso, caixa para montagem, cabo de alimentação, suporte para fusíveis, suporte para LED, etc.

 

 


Opinião

Eventos e muito mais (OP212)

Nosso grande destaque deste mês é o nossa Jornada do Desenvolvimento, que ocorrerá em três etapas sendo a primeira a que foi realizada entre 9 e 13 de agosto. Ela foi uma preparação para as demais que devem ocorrer em setembro e outubro, com oficinas de desenvolvimento com o Edukit SigFox e a Franzininho, numa jornada com os próprios criadores.

Leia mais...

Localizador de Datasheets e Componentes


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)

Podcast INCB Tecnologia