Ligação de transformadores (INS549)

Transformadores usados em fontes de alimentação podem ter diversas formas de ligação, conforme a rede seja de 110 V ou 220 V. Veja neste artigo como identificar os enrolamentos e fazer a ligação correta quando esta informação não for dada junto com o componente.

Os transformadores comuns possuem basicamente duas configurações para os enrolamentos primários.

Eles podem ter um enrolamento único com derivação ou dois enrolamentos separados.

O tipo de configuração determina o modo de ligação quando usamos na rede de 110 V ou 220 V.

 

a) Transformadores de 3 fios

Os transformadores de 3 fios são os que possuem um enrolamento único com derivação para conexão nas duas redes de energia.

Na figura 1 temos o modo de se fazer a ligação deste tipo de transformador.

 

   Figura 1 – Ligação dos transformadores de 3 fios
Figura 1 – Ligação dos transformadores de 3 fios | Clique na imagem para ampliar |

 

Normalmente o fio comum às duas redes é de cor preta, sendo o vermelho de 220 V e marrom de 110 V, mas podem haver outras cores.

No caso de dúvida, é possível usar o multímetro para identificar os fios de ligação.

Medimos a resistência entre o extremo comum, normalmente preto e os demais.

A resistência maior entre o preto e um dos fios indica que esse fio é o terminal de 220 V.

A resistência menor identifica o fio de 110 V.

Na figura 2 mostramos como esse teste é feito.

 

   Figura 2 – Identificando os fios
Figura 2 – Identificando os fios | Clique na imagem para ampliar |

 

O multímetro é colocado na faixa mais baixa de resistências, pois os enrolamentos têm resistências baixas na faixa de 50 ohms a 2 000 ohms, tipicamente.

É possível acrescentar a este transformador uma chavinha comutadora de tensão, conforme mostra a figura 3.

 

   Figura 3 – Usando uma chave comutadora
Figura 3 – Usando uma chave comutadora | Clique na imagem para ampliar |

 

 

b) Transformadores de 4 fios

Estes transformadores possuem 2 enrolamentos separados em que são ligados de uma forma que depende da tensão.

Assim, conforme mostra a figura 4, os enrolamentos são ligados em paralelo quando a tensão de entrada é de 110 V e em série quando a tensão é de 220 V.

 

   Figura 4 – Ligação do transformador de 4 fios
Figura 4 – Ligação do transformador de 4 fios | Clique na imagem para ampliar |

 

 

No entanto, é preciso tomar muito cuidado com estas conexões, pois os enrolamentos devem estar em fase.

Se os enrolamentos tiverem as fases invertidas eles se comportam como um curto-circuito com resultados desastrosos para o componente que pode queimar-se imediatamente.

Podemos ter certeza que nossa ligação está correta usando uma lâmpada incandescente comum de teste, conforme mostra a figura 5.

 

   Figura 5 – Teste de fase para as conexões
Figura 5 – Teste de fase para as conexões | Clique na imagem para ampliar |

 

 

A conexão correta é aquela em que a lâmpada acende com brilho reduzido.

Da mesma forma que nos transformadores de 3 fios, também podemos agregar uma chave comutadora de tensão tendo o cuidado de verificar se as fases estão corretas.

O modo de se fazer esta conexão é mostrado na figura 6.

 

   Figura 6 – Chave de tensão para transformadores de quatro fios
Figura 6 – Chave de tensão para transformadores de quatro fios | Clique na imagem para ampliar |

 

O teste de fase com a lâmpada incandescente da figura 5 serve para identificar o modo correto de conexão.

Finalmente, temos um tipo de transformador que possui diversas derivações para tensões escalonadas, conforme mostra a figura 7.

 

   Figura 7 – Transformador para diversas tensões
Figura 7 – Transformador para diversas tensões | Clique na imagem para ampliar |

 

 

Este tipo de transformador pode ser encontrado em equipamentos antigos valvulados, com valores de tensão que consiste nas diversas padronizações que existiam na época de sua fabricação.

Se o leitor aproveitar um transformador deste tipo de um velho equipamento valvulado pode eliminar a chave seletora e ligar diretamente o fio na tomada da tensão desejada.

 

 


Opinião

O que vem pela frente (OP210)

Uma das características do Instituto Newton C. Braga é a manutenção do ritmo de suas realizações, independentemente do que se passa no nosso mundo. Não foi a pandemia, nem crises de qualquer tipo que alteraram nosso ritmo de trabalho.

Leia mais...

Localizador de Datasheets e Componentes


N° do componente 

(Como usar este quadro de busca)